POR UMA CANDIDATURA PATRIÓTICA E DE ESQUERDA – FRANCISCO LOPES É A ALTERNATIVA DE TRANSFORMAÇÃO E PROGRESSO SOCIAL

Este é um tempo em que enfrentamos uma situação marcada por um acentuado aumento das injustiças, pela baixa dos salários e do poder de compra, pelo mais elevado índice de desemprego desde o fascismo, pela generalização da precariedade do trabalho, pela pobreza, pelo corte nas prestações sociais, pela liquidação do aparelho produtivo e da produção nacional. Uma realidade que contrasta com a escandalosa protecção ao grande capital e ao aumento dos seus colossais lucros.

Este é um tempo que, em Portugal e no mundo, exige intervenção, clareza e determinação. Um tempo de de corajosa afirmação de um outro rumo e de mobilização de energias para o concretizar.

Este é um tempo de afirmar que o caminho actual é inaceitável. Um caminho que encontrou na acção do actual Presidente da República uma cooperação empenhada. Cavaco Silva prolongou, enquanto Presidente, o papel profundamente negativo que desempenhou enquanto primeiro-ministro.

A candidatura de Francisco Lopes às eleições presidenciais de 23 de Janeiro de 2011 é uma candidatura que assume a exigência de ruptura e de uma efectiva mudança em relação às orientações políticas seguidas nas últimas décadas: defender e ampliar o regime democrático consagrado na Constituição e fortalecer as suas raízes na sociedade portuguesa, projectando no futuro os valores de Abril e o seu horizonte de liberdade, de igualdade e justiça social, de fraternidade, de participação e de soberania nacional.

Uma candidatura que, por isso mesmo, é uma manifestação de confiança no povo português, de uma esperança alicerçada num projecto de progresso e desenvolvimento do pais.

Uma candidatura patriótica e de esquerda. Patriótica, porque deve ser o povo português a decidir das opções e do destino do País. Porque uma componente da soberania dos trabalhadores e do povo, sobre as condições de vida e trabalho, é precisamente a soberania nacional. De esquerda porque tem um compromisso essencial com os valores de Abril, a concepção e o objectivo duma democracia política, económica, social e cultural.

ASSIM, A VIII ASSEMBLEIA DE ORGANIZAÇÃO REGIONAL DE AVEIRO, REUNIDA A 30 DE OUTUBRO, EM ESPINHO, DELIBERA:

- Apoiar activa e militantemente a candidatura de Francisco Lopes, afirmando-a como a única candidatura patriótica e de esquerda que tem como objectivos centrais cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa ao serviço dos trabalhadores, do povo e do país;

- Declarar que a candidatura de Francisco Lopes é a única em condições de abrir caminho à ruptura com as políticas de Cavaco Silva, com elevadas responsabilidades na situação que o País vive, contribuindo para derrotar a sua candidatura;

- Pugnar pela valorização do trabalho e dos trabalhadores, pelo aumento dos salários e das pensões, pela afirmação dos direitos laborais, pelo combate à precariedade e ao desemprego, pela protecção e os direitos sociais, pelo repúdio das políticas de direita que tanto têm prejudicado o distrito de Aveiro.

- Demonstrar que esta é a candidatura capaz de abrir perspectivas às novas gerações, garantindo os seus direitos no emprego, no estudo, na cultura, convívio e lazer, na habitação e no apoio à vida familiar e à realização pessoal.

- Defender a igualdade das mulheres no trabalho e na vida, o reconhecimento e exercício dos direitos das pessoas com deficiência, dos idosos, combatendo todas as discriminações, que hoje assumem contornos preocupantes no nosso Distrito, com a feminização da pobreza, a discriminação salarial e a redução da protecção social das famílias. - Defender esta candidatura como a garantia de um sector público forte e determinante, no apoio às PME, na defesa dos serviços públicos e das funções sociais do Estado, na valorização das potencialidades da nossa agricultura, particularmente das explorações familiares. das pescas e de todos os recursos do mar.

- Defender um rumo em que o Estado esteja ao serviço do desenvolvimento, com o fortalecimento e autonomia do Poder Local, na concretização da regionalização e na afirmação da soberania nacional numa Europa e num mundo de paz e de povos e nações livres e iguais.

- Mobilizar a vontade, energia e capacidades de todos quantos lutam por uma vida melhor, particularmente no Distrito de Aveiro, para uma intervenção na campanha eleitoral e a mobilização das forças capazes de construir um grande resultado eleitoral para a candidatura de Francisco Lopes.

Espinho, 30 de Outubro de 2010

A VIII Assembleia da Organização Regional de Aveiro do PCP

Para o topo