MOÇÃO

A luta derrotará as políticas de direita

Num contexto em que a situação social e económica se agudiza, e o país está mergulhado num acentuado retrocesso social e civilizacional, a luta de massas assume um papel determinante e decisivo na denúncia e no combate à ofensiva contra os trabalhadores o povo e o país.

As contradições entre o discurso oficial e a prática governativa aumentam, com o primeiro-ministro a admitir que as medidas apresentadas como temporárias, afinal serão definitivas.

O governo PSD/CDS com o apoio do PS e apadrinhado pelo Presidente da Republica e o grande capital, só não alcançou todos os seus objetivos, por força da luta e determinação dos trabalhadores, do movimento sindical e popular e da intervenção dos comunistas e do democratas e patriotas.

Num momento em que se desenvolve uma campanha de mistificação para criar a ilusão sobre o chamado período pós-troika e perante a brutal ofensiva dos governos europeus contra os direitos laborais e sociais, muitos milhares de trabalhadores, protestam e lutam, contra a regressão social e humana.

Também em Portugal se tem intensificado e alargado a luta de massas contra a política de direita e por uma política patriótica e de Esquerda, ao serviço dos trabalhadores do povo e do país.

Temos razões para lutar, temos condições para mudar o rumo do país.

Num contexto em que as políticas de direita empurram cada vez mais o país para o abismo, as eleições para o Parlamento Europeu assumem um papel de extraordinária importância, na necessária viragem à esquerda.

A candidatura da CDU às eleições para o Parlamento Europeu assenta no combate às políticas de direita e no reafirmar dos interesses nacionais e de uma Europa diferente.

É necessário intensificar o trabalho de esclarecimento e mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras para participar activamente nestas eleições.

É, também, responsabilidade do colectivo partidário o combate a tão grande ofensiva ideológica do grande capital.

Neste quadro, os delegados à IX Assembleia Regional decidem:

  • Manifestar o seu apoio e assumir o compromisso de se empenharem no esclarecimento e mobilização de todos os trabalhadores e da população em geral para as eleições para o Parlamento Europeu;
  • Dizer basta ao desemprego e à precariedade laboral, aos cortes nos apoios sociais, à exploração desenfreada dos trabalhadores, dos reformados e da população mais desprotegida;
  • Lutar pela valorização dos salários, aumento do SMN e demais remunerações, pela efectiva negociação colectiva;
  • Saudar a União dos Sindicatos de Aveiro, a CGTP-IN e os seus sindicatos e os trabalhadores em luta contra o roubo e pela manutenção dos direitos, levada a cabo pelos sucessivos governos.
  • No imediato participar na concentração no dia 8 de Abril em Lisboa, nas comemorações do 40º aniversário do 25 de Abril, na defesa dos valores de Abril e nas comemorações do 1º de Maio.
  • Participar de forma combativa nas lutas necessárias para travar as políticas de direita e o desastre social, a que as políticas do governo PSD/CDS estão a condenar o país.
  • Lutar por um País mais justo e soberano e por uma política e uma alternativa Patrióticas e de esquerda para Portugal.

A Assembleia da Organização Regional de Aveiro do PCP

Aveiro 30 de Março de 2014

Para o topo