TRABALHO HONESTIDADE COMPETÊNCIA

CDU -No concelho e no País
Força necessária
 

Em acção de contacto levada a cabo junto de algumas paragens de autocarro e estação de comboios de Espinho, uma delegação da CDU chamou a atenção para as dificuldades sentidas pela população local no que às deslocações diz respeito.

Fruto de uma política que promove a destruição do transporte público, por um lado, e a degradação das acessibilidades por outro, tal como o resto da população do Distrito de Aveiro, os espinhenses encontram cada vez mais obstáculos na hora de ir para a escola, o emprego, as compras ou, simplesmente, usufruir do tempo livre. Dado o aumento das populações sénior e escolar – apesar da recessão demográfica espinhense – é inaceitável a actual situação dos transportes rodoviários internos e externos, fruto da longa passividade/cumplicidade dos poderes autárquicos com os concessionários privados de péssima qualidade.

Decorreu no FACE, no dia 2 de Junho, o Encontro CDU Espinho sob o lema “Mais CDU, uma vida melhor!”.

A iniciativa aberta a toda a população e que contou com uma boa adesão, permitiu uma discussão alargada dos principais anseios e problemas sentidos pela população do Concelho. Foram discutidos um conjunto alargado de temas relacionados com as áreas de saúde, habitação, transportes e acessibilidades, ambiente, desenvolvimento local, e políticas de emprego e fixação, particularmente, de jovens.

A partilha dos problemas com que os espinhenses se confrontam traça um quadro de um concelho que enfrenta sérios problemas advindos de políticas autárquicas que não têm tido em conta um desenvolvimento integrado e que mostram não só uma completa falta de visão estratégica do que deve ser o desenvolvimento de Espinho como ainda revelam inúmeros casos em que os interesses reais da população foram esquecidos.

No dia 17 de Junho, às 17h, no Parque da Vila, a CDU – Coligação Democrática Unitária realizou a apresentação da mandatária concelhia e dos cabeças de lista à Câmara Municipal de Arouca e à Assembleia Municipal de Arouca.

A coordenação da iniciativa esteve a cargo de Tadeu Saavedra, membro da Comissão Concelhia de Arouca do PCP, que apresentou a biografia de cada um dos três oradores, tendo depois concedido a palavra, por esta ordem, à mandatária concelhia, Deolinda Martins Brandão, ao primeiro candidato à Assembleia Municipal de Arouca, António Óscar Brandão, e ao primeiro candidato à Câmara Municipal de Arouca, Francisco Gonçalves.

Junto ao mercado municipal de Oliveira de Azeméis juntaram-se vários apoiantes e amigos da CDU para a apresentação do Cabeça de lista à Câmara Municipal, Joana Alves e à Assembleia Municipal, Ana Isaura Costa.

O evento foi apresentado por Armando Morais, membro da Comissão Concelhia do PCP de Oliveira de Azeméis estando presentes  Miguel Martins do PEV e de Carla Cabique Martins membro do Secretariado da DORAV do PCP.

Joana Alves na sua intervenção salientou as desigualdades existentes no Concelho onde se privatizou a água e saneamento e onde a população paga mais por menos serviço, sendo Oliveira de Azeméis o Concelho Português com a pior cobertura de rede de água e saneamento, algo que não pode acontecer em pleno séc. XXI.

A CDU tem uma visão singular sobre a importância de manter a identidade e qualidade de vida dos Bairros Sociais e Populares de Ovar. No quadro da Assembleia Municipal a CDU já debateu por diversas ocasiões este tema, expondo a sua concepção durante a discussão quer da Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Centro Histórico de Ovar, quer da revisão do Plano Director Municipal (PDM).

Sobre esta matéria a CDU, através do seu eleito na Assembleia Municipal, Miguel Jeri, contestou a excessiva centralidade da Área de Reabilitação Urbana (ARU), exigindo uma política de urbanização municipal que vá ao encontro de toda a matriz social de Ovar. Neste âmbito, considera que é tempo para lavar a cara aos diferentes bairros e ruas típicas, tornando-os também num factor de atractividade da cidade de Ovar, melhorando a sua exposição, dinamizando a sua actividade económica, garantindo habitação condigna, criando espaços aprazíveis para mais actividades lúdicas e sócios-culturais gerando assim múltiplos factores de integração social.


Para o topo