Nota do Gabinete de Imprensa da DORAV do PCP

Interjovem contra a precariedadeConvocada pela União dos Sindicatos de Aveiro - CGTP/IN, e integrada na jornada de luta realizada por todo o País, desfilou ontem, em Aveiro, a firme vontade de centenas de trabalhadores em derrotar as políticas de direita e construir uma política alternativa de Esquerda e Soberana. Com as palavras de ordem, os manifestantes fizeram soar a denúncia de aspectos agenda escondida do capital que conduz ao aumento da exploração possível de travar com a luta. Exploração baseada nos magros salários que urge aumentar; na precariedade injusta grosseira e covardemente imposta, sobretudo, à juventude; no desemprego vergonhoso no plano nacional, velho instrumento de extorsão de direitos de quem trabalha. Denúncias de um quadro de políticas antidemocráticas que têm enfraquecido a dignidade e o exercício das liberdades pelos trabalhadores, políticas que prosseguem, paulatinamente, escancarando, agora, objectivos de municipalização do ensino, antecâmara da sua privatização em prejuízo da escola pública que o Estado deve assegurar e preconizada pela Constituição.

Enfim, denúncias de uma política de 38 anos de sucessivos governos de PS/PSD/CDS, de sistemática perversão das conquistas alcançadas com a Revolução de Abril e consagradas na Constituição cuja defesa se impõe aos trabalhadores e ao povo. O actual e desacreditado governo suportado pelo Presidente da República, prossegue a mesma política destruidora em defesa do grande capital. Trata-se de um quadro de anormalidades no regime democrático que importa resolver com a dissolução da Assembleia da República, a realização de eleições, o reforço da unidade dos trabalhadores e do povo no sentido da ampliação das condições sociais e políticas que reponham os valores de Abril no futuro de Portugal.

No comício com se encerrou a manifestação, na Praça Joaquim Melo Freitas, as intervenções da União dos Sindicatos, proferidas por Andrea Araújo e Adelino Nunes, para além do que atrás se disse, assinalaram a comemoração do Dia Internacional da Mulher, e anunciaram que, integrada na Marcha Nacional que vai decorrer entre os dias 23 e 28 de Março, se vai realizar no distrito, no dia 26 de Março, um conjunto de acções de contactos com jovens trabalhadores, de vários sectores, para denunciar e combater a precariedade e, simultaneamente, mobilizar os jovens para participarem na grande Manifestação Nacional, em Lisboa, no dia 28 de Março, Dia Nacional da Juventude.

Finalmente foi aprovada por unanimidade dos presentes uma resolução onde se assume o compromisso de continuar a luta nos locais de trabalho e na rua a fim de derrotar a política de direita, o Governo do PSD/CDS e alterar a correlação de forças na Assembleia da República, de forma a assegurar uma alternativa política de Esquerda e Soberana, comprometida com os valores e direitos da Revolução de Abril. A determinação e confiança dos manifestantes demonstram a sua disponibilidade para continuar a luta pelo emprego com direitos, pelos salários e pensões, pelos direitos e serviços públicos, contra a exploração e o empobrecimento, para acabar com esta política e este governo, por eleições antecipadas e por uma política de Esquerda e Soberana!

 

 

Para o topo