Precursor do Neo-Realismo, dirigente comunista e organizador de importantes lutas de massas, Soeiro Pereira Gomes nasceu há 100 anos  em Gestaçô (Baião) 14.04.1909, vindo a falecer de doença prolongada em Lisboa a 05.12.49, sem os cuidados necessários em virtude de se encontrar na clandestinidade.



Viveu e estudou em Espinho, tendo concluído o curso em Coimbra como Regente Agrícola.

Em 1941 publica Esteiros, considerada uma das obras clássicas do neo-realismo português. O autor dedica este livro «para os filhos dos homens que nunca foram meninos». Refúgio Perdido (contos, 1950), Engrenagem (1951), Contos Vermelhos (1951) e Contos e Crónicas (1961), foram publicados postumamente.

No âmbito das comemorações, no próximo sábado dia 28 de Março, pelas 16 horas o PCP em articulação com a Comissão Concelhia de Vila Franca de Xira e de Espinho leva a efeito uma Romagem ao Cemitério desta cidade, à campa de Soeiro Pereira Gomes, onde se encontra sepultado. Após um  interlúdio  de violino e violoncelo, intervirá Domingos Abrantes membro do Comité Central do PCP.

Para o topo