Situação da Saúde no distrito de Aveiro

Debate sobre a situação da saúde no distrito de Aveiro

Sexta-feira 15 Junho 2012, 21:30

no Museu da Cidade de Aveiro

 

Não são novos os ataques ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), procurando substituir a sua universalidade de serviço público por uma lógica mercantilista dominada por interesses privados, que representam já hoje uma parte significativa da oferta de cuidados de saúde.

A pretexto da crise e do Pacto de Agressão, acordado pelo PS, PSD e CDS, os cortes cegos da despesa do Estado estão a por em perigo o próprio SNS e o seu funcionamento, acentuando a linha privatizadora deste sector vital para todos os portugueses.

Perante este quadro, o esclarecimento e a mobilização são o instrumento essencial de resistência e esperança.

A Comissão Concelhia de Anadia do PCP, preocupada com o evoluir negativo das questões relacionadas com os cuidados de saúde no concelho, decidiu solicitar uma reunião com a Administração do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga. Com esta reunião o PCP pretendia saber de viva voz dos responsáveis, que futuro está reservado no plano da reorganização dos serviços de cuidados de saúde, promovidos pelos sucessivos governos e os seus impactos no concelho, que se tem pautado com uma constante redução da oferta pública.

Uma vez mais somos confrontados com notícias vindas a público de que o Governo do PSD e CDS, ao “abrigo das exigências” da Troika na sua senda persecutória contra o Serviço Nacional de Saúde, se prepara para encerrar o Serviço de Urgência Básica do Hospital S. Miguel.

A Comissão Concelhia de Oliveira de Azeméis do PCP não pode deixar de repudiar tal medida e manifesta a sua preocupação pelas consequências que atingirão as populações e os mais desfavorecidos se esta se concretizar, ficarão sem esta Urgência Hospitalar, de proximidade e qualidade, inaugurada em 2008 com pompa e mediatismo político.

.Numa acção inédita em Aveiro, os vários sindicatos afectos aos médicos, enfermeiros, pessoal auxiliar e administrativo, juntamente com a recém-criada Comissão de Utentes do Centro Hospitalar do Baixo Vouga, decidiram organizar uma concentração simbólica à porta do Hospital de Aveiro para assinalar a greve geral da função pública do dia 8 e deixar bem claro a mensagem segundo a qual todos, profissionais e utentes encontram-se do mesmo lado da barricada, em defesa do Serviço Nacional de Saúde.

Assim, entre as 9 e as 11h, várias dezenas de pessoas estiveram concentradas à porta do Hospital, conversando com os utentes e apelando ao protesto e à indignação de todos perante esta política. A situação é gravíssima. Só nos últimos três anos, os cortes na saúde ascendem a mais de 1300 milhões de euros. O orçamento de estado para 2014 vai no mesmo sentido com um corte previsto de mais de 150 milhões de euros. O resultado está à vista de todos e o nosso CHBV não foge à regra. Faltam médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar. Faltam seguranças. Encerram-se serviços. Aumentam as listas e os tempos de espera, simplesmente porque não há médicos suficientes para assegurar o atendimento.

Elaborada pelo eleito da CDU na Assembleia Municipal de Estarreja, Américo Soares, foi aí aprovada uma moção para que se esclareça o ponto de situação do encerramento da Cirurgia de Ambulatório do Hospital de Estarreja. Transcreve-se o documento aprovado.

Pelo Hospital Visconde de Salreu e pela manutenção da Cirurgia de Ambulatório

Com a criação do Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV), em Dezembro de 2010, os hospitais de Aveiro, Estarreja e Águeda passaram a funcionar numa lógica tripolar de forma a prestar melhores cuidados de saúde, racionalizar e rentabilizar recursos e prestar serviços de proximidade na área geográfica de influência dos três hospitais.


Para o topo