A Comissão Concelhia de Anadia do PCP, preocupada com o evoluir negativo das questões relacionadas com os cuidados de saúde no concelho, decidiu solicitar uma reunião com a Administração do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga. Com esta reunião o PCP pretendia saber de viva voz dos responsáveis, que futuro está reservado no plano da reorganização dos serviços de cuidados de saúde, promovidos pelos sucessivos governos e os seus impactos no concelho, que se tem pautado com uma constante redução da oferta pública.

O que, na ocasião foi transmitido ao PCP pela Administração dos Centros de Saúde é completamente absurdo e gravíssimo!

Disseram estes responsáveis que: “a população do concelho está numa situação de privilégio em relação a outros”, “não existindo assim qualquer tipo de razão de queixa da parte dos utentes”, dada a “excelente qualidade” e quantidade dos serviços prestados.

Afirmaram que: comparativamente a outros concelhos, “os serviços instalados são mais eficazes, têm melhor qualidade e dão mais protecção”, e que está “assegurada a marcação de consultas pela internet”, isto é, para estes senhores estamos no paraíso.

Com estas “boas novas” o PCP questionou o porquê da redução do horário de funcionamento da UCSP de Anadia, que desde Maio está fechada de manhã, se haverá nova redução de horário de atendimento e qual a razão de existirem ainda utentes sem médico de família?

A Comissão Concelhia de Anadia do PCP ficou ainda mais preocupada com a resposta que deram a estas perguntas. Afirmaram: “a redução de funcionamento deve-se à fraca procura do serviço”- como se não fosse exactamente o contrário, ou seja, a prestação de menos serviços afasta os utentes.

Afirmaram que “numa lógica de custo/benefício não se justificava a sua manutenção, tendo em atenção que os serviços instalados chegam para a procura” e em relação a possíveis alterações no futuro disseram que “hoje é assim amanhã não sabem - isto é, o Governo está a preparar novo encerramento de serviços de saúde em Anadia.

E confirmaram que existe cerca de um milhar de utentes sem médico de família, o que em sua opinião não é grave, porque “serão sempre atendidos por um médico qualquer que esteja livre”, isto é, o direito a um serviço de saúde público de qualidade, que a Constituição garante a todos os cidadãos, não conta para esta política do Pacto de Agressão e do governo PSD/CDS, nem para os seus apoiantes em Anadia.

Por isso, o PCP considera que convém lembrar:

Que até ao ano de 2008, os cidadãos do concelho tinham um serviço de urgência a funcionar no hospital de Anadia, 24 horas por dia;

Que a 1 de Janeiro de 2008 o Ministro Correia de Campos (PS) mandou encerrar a urgência e criou a Consulta Aberta a funcionar das 8 às 24 horas;

Que entretanto foram encerrados ou reduzidos os horários de funcionamento das extensões de saúde de Vila Nova de Monsarros, Tamengos e Ancas;

Que em 2011 foram criadas Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) em S. Lourenço do Bairro, Sangalhos e Anadia, a funcionar das 8 às 20 horas, mantendo Anadia um Atendimento Complementar das 8 às 24;

Que em Maio de 2012 a UCSP de Anadia passou a funcionar das 13 às 24 horas;

E que em todo este período foram criadas diversas unidades de saúde privadas com urgência a funcionar 24 horas por dia em Anadia e nos concelhos limítrofes. Os grupos económicos que possuem estas unidades de saúde privada, por agora, com os seus preços baixos, ajudam ao encerramento do Serviço Nacional de Saúde, mas assim que puderem tratarão de impor os seus preços de negócio e os seus lucros descomunais, como fazem nos bancos, nos combustíveis, nos transportes, etc..

A reunião da Concelhia do PCP com estes responsáveis comprovou assim que, também no concelho de Anadia, está em marcha acelerada a política de destruição do Serviço Nacional de Saúde, promovida pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS e pelo Pacto de Agressão da troika estrangeira, e que visa entregar à iniciativa privada esta área de importância vital para as populações, transformada num negócio muito lucrativo, a que as pessoas terão de recorrer, enquanto o Estado ficará numa posição meramente assistencialista, para prestar apenas os cuidados de saúde mais elementares aos mais pobres, por caridade e não como um direito à igualdade de todos os portugueses.

O PCP está contra a destruição do Serviço Nacional de Saúde!

Em Anadia, o povo do concelho continuará a defender os seus serviços de Saúde!

 

Comissão Concelhia de Anadia do PCP

29 de Agosto de 2012


Para o topo