Actividade

A cultura não é um privilégio, a cultura é para todos - é pela luta que lá vamos!

Aconteceu no último sábado, dia 20 de Maio a eliminatória de Aveiro do concurso de bandas para o Palco Novos Valores da Festa do Avante! Este ano assinalam-se os 20 anos do Palco Novos Valores e do seu Concurso de Bandas, o concurso de bandas de maior expressão nacional, que é também uma forma de luta pelo direito à cultura e à fruição cultural. A iniciativa, a cargo da Juventude Comunista Portuguesa, tem como objectivo permitir que as bandas mais jovens mostrem o seu trabalho, permitindo também o acesso à cultura aos milhares de jovens que um pouco por todo o país assistem às eliminatórias e finais deste concurso.

A eliminatória de Aveiro aconteceu na Associação Cultural Mercado Negro, perante uma plateia de mais uma centena de jovens, e contou com a presença dos The Teasers de Ovar e dos Junkie Birds de Aveiro. Com um júri composto por 5 elementos, entre eles, Emídio Abrantes, presidente da Banda da Amizade e João Ribeiro coordenador da Interjovem em Aveiro, ficou decidida a passagem dos Junkie Birds à final da Região Centro que terá lugar dia 27 de Maio às 21h30 no NL em Coimbra.

Intervenção da JCP, por Bruna Porto, no Convívio Regional de Aveiro

Bruna Porto, da JCP, no decurso da sua intervençãoCamaradas e amigos,

Camaradas,

podemos afirmar que a juventude portuguesa está hoje confrontada com a ofensiva mais violenta contra os seus direitos em todas as esferas das suas vidas desde o 25 de Abril. Os sucessivos governos, tenha sido PS ou PSD com ou sem o CDS, a opção de classe foi sempre a mesma, contra a juventude e os seus direitos e agravando as suas condições de vida.

Os estudantes do Ensino Secundário lutam pela escola que têm direito, pública, gratuita, democrática e de qualidade. Os problemas são vários fruto do contínuo desinvestimento na educação que ano após ano deixa as escolas ao abandono, sem condições para a aprendizagem; chove dentro das salas, faltam professores e funcionários, as turmas têm mais de 30 alunos, os exames nacionais, uma verdadeira barreira ao Ensino Superior, avaliam 3 anos de estudo em duas horas; os filhos dos trabalhadores são empurrados para cursos profissionais, reproduzindo assim desigualdade.

O Ensino Superior paulatinamente se transforma num privilégio das elites e não um direito para todos como plasmado na nossa Constituição – os que podem pagar estudam. E foi precisamente com este objectivo de elitização do E.S. que surgiram as propinas e não com para a melhoria da qualidade do ensino como muitos nos querem fazer acreditar.

Camaradas,

na Universidade de Aveiro a propina já está fixada no seu valor máximo 1067€ e sabemos já que para o ano vai aumentar e não só não aumentou a qualidade do ensino, como também não resolveu os problemas dos estudantes e o abandono escolar não pára de crescer.

Os jovens trabalhadores são um dos alvos preferidos deste governo. A pretexto da austeridade, da crise e da dívida, tentam normalizar a exploração, a precariedade, o roubo nos salários, a desregulação das leis laborais e o desemprego.

A luta da juventude é constante, não baixaremos os braços aos vários ataques do governo.

Este ano lectivo, os estudantes do Ensino Secundário defenderam a escola a que têm direito. Os estudantes da Escola secundária de Vale de Cambra, da Escola Secundária Mário Sacramento, e da Escola Secundária José Estêvão saíram à rua dia 13 de Março, e disseram basta a esta política de destruição da escola pública! Reivindicando o fim das obras, há muito adiado, e melhores condições, os estudantes da Escola Sec. Mário Sacramento recolheram um abaixo assinado que contou com mais de 700 assinaturas.

Contra os exames nacionais e por uma avaliação realmente justa e contínua, os estudantes da Escola Secundária de Estarreja pintaram uma faixa e mostraram que outro caminho é possível!

No Ensino Superior, a resposta a estas políticas também foi intensa. Este ano lectivo contou com grandes jornadas de luta nacional nos dias 19 de Novembro e 2 de Abril. Os estudantes da UA assinalaram o dia 24 de Março, dia do estudante, em luta, realizando o enterro do Ensino Superior Público, consequência das políticas de direita. Pintaram-se faixas e recolheu-se um abaixo-assinado exigindo o fim das propinas, mais financiamento no Ensino Superior, fim das taxas e a demissão deste Governo.

Os jovens trabalhadores também não têm parado. O último ano foi cheio de luta com a média de uma luta, com expressão de rua, por mês! Participaram nas diversas acções da Interjovem e da CGTP-IN.

Camaradas,

a JCP saúda a grande manifestação nacional dos jovens trabalhadores do dia 28 de Março, dia nacional da juventude!
Lutas construídas em unidade e convergência, contando sempre com os jovens comunistas para o seu desenvolvimento, ampliação e intensificação.

Camaradas,

a JCP está hoje onde sempre esteve, e sempre estará, com a juventude na linha da frente deste combate, com alegria e com uma tremenda confiança na luta que travamos, mostrando que da nossa parte ninguém arreda pé até vermos concretizadas as nossas justas aspirações.

Nas escolas, no trabalho, nas ruas com a força da juventude, dos trabalhadores e do povo, Abril será cumprido!

 

Sobre a notícia avançada pela Antena 1 de estudantes com necessidades educativas especiais que não têm professores na Escola Secundária José Estêvão – Aveiro.

A Organização Regional de Aveiro da Juventude Comunista Portuguesa acha inadmissível a situação em que se encontram 4 estudantes com necessidades educativas especiais que este ano deveriam ter transitado para a Escola Secundária José Estêvão em Aveiro. O facto da unidade de multideficiência da escola não estar a funcionar e estes estudantes ainda não se encontrarem na escola, é fruto da política errada e desastrosa que este Governo PSD/CDS tem seguido para a Educação. Em Portugal são centenas de estudantes com necessidades educativas especiais que ainda não têm professor. Contudo as opções deste Governo e do Ministério da Educação concretamente têm sido as de cortar constantemente no financiamento à Educação, de diminuírem o número de professores e de funcionários, de aumentarem as turmas, de diminuírem a qualidade da Educação.

No passado dia 21 de Setembro, sábado, a Juventude CDU realizou em S. João da Madeira, uma reunião com bandas jovens. Esta reunião visou aprofundar o conhecimento dos problemas que as bandas sentem em S. João da Madeira.

A política autárquica seguida em S. João da Madeira tem desprezado o trabalho que vários jovens músicos fazem com bastantes dificuldades. Não existem espaços públicos de ensaio onde as bandas possam ensaiar, evoluir e desenvolver um trabalho consistente. Espaços para tocarem são também praticamente inexistentes. As bandas convivem ainda com a falta de apoios a nível material, não havendo aqui também qualquer tipo de ajuda.

No passado dia 21 de Setembro, sábado, a Juventude CDU realizou em Ovar uma Sessão de Cinema em que exibiu o filme Cinema Paraíso de Giuseppe Tornatore.

Esta iniciativa teve como principal objectivo denunciar a inexistência de um cinema em Ovar. De facto em Ovar apenas existem pipocas, cinema nem vê-lo. Os cinemas mais próximos encontram-se em Espinho ou em Estarreja.


Para o topo