Depois de um imenso comício realizado em Santa Maria da Feira na noite de 28 de Setembro, a campanha da CDU dedicou este dia aos direitos dos trabalhadores. Neste sentido, o dia começou bem cedo numa visita à Teka, na zona industrial da Mota, concelho de Ílhavo. Ao longo dia dia a caravana passou ainda por diversas empresas dos concelhos de Estarreja e Vagos, entre as quais se destacam a Riablades, no parque empresarial do Fontão, a Nestlé e a Adico. Entre as várias visitas a empresas, a CDU reuniu com a direcção da União dos Sindicatos de Aveiro.

A CDU afirma-se com a força política que toma partido ao lado de quem trabalha, não se esconde atrás de uma falsa neutralidade. No seu programa, defende a redução do horário de trabalho e a valorização dos salários reformas e pensões, e pretende combater a o desemprego e a precariedade, verdadeiras chagas sociais. No capítulo dos impostos, a CDU defende uma mais justa repartição do fardo fiscal, acabando com os chorudos benefícios fiscais aos grandes grupos económicos, tributando as grandes fortunas e as transacções bolsistas. Só assim será possível aliviar a enorme carga fiscal que recai sobre os trabalhadores, reformados e pensionistas, seja em sede de IRS seja ao nível do IVA.

Na reunião com a União dos Sindicatos de Aveiro, foi dado nota de uma enorme preocupação com o desemprego. Com efeito, apesar da propaganda do governo, o número de desempregados inscritos pelo IEFP subiu em Julho e subiu novamente em Agosto, num período onde o efeito sazonal deveria apontar precisamente para o sentido contrário. Ou seja, muito possivelmente, o desemprego irá aumentar ainda mais em Setembro e Outubro, demonstrando assim a falácia do discurso do Governo em matéria de economia e criação de emprego. Outro aspecto focado entre muitos, está nesta praga que representa a precariedade que atinge hoje a generalidade dos trabalhadores. Os números oficiais demonstram que uma parte significativa dos novos inscritos decorre da não renovação de contratos a termo, o que prova que o desemprego anda a par com a liberalização da legislação laboral.

Pela parte de Miguel Viegas, ficou absolutamente clara a diferença entre a CDU e os partidos da troika. Quer pela sua história nas passagens no Governo, quer pelo seu próprio programa eleitora, PS, PSD e CDS representam o agravamento da situação dos trabalhadores e o contínuo favorecimento do grande capital, insistindo-se na destruição dos direitos adquiridos e num caminho que apenas conduz à intensificação da exploração e aprofundamento do empobrecimento que já marca a vida da esmagadora maioria dos trabalhadores. A CDU afirma, com propostas concretas e viáveis que não só é necessário como possível romper com este rumo, elegendo mais deputados da CDU, designadamente em Aveiro, na certeza que os interesses dos trabalhadores e do povo continuarão a ser prioridade.


Aveiro, 29 de Setembro de 2015
A Comissão Coordenadora para o distrito de Aveiro da CDU

 

Para o topo