Uma delegação da CDU, composta por Miguel Viegas, anunciado cabeça de lista da CDU por Aveiro nas próximas eleições para a Assembleia da República, Fausto Neves, da Comissão Concelhia local do PCP, e outros activistas, percorreu vários pontos do concelho em várias iniciativas relacionadas com a Saúde. A jornada começou com uma distribuição de um documento (ver anexo) aos utentes do Hospital e do Centro de Saúde.

De seguida a comitiva rumou para o bairro piscatório de Silvalde para reunir com a população em luta contra o encerramento do posto médico.

Finalmente a jornada terminou com uma reunião com representantes do MUSE, Movimento de Utentes de Saúde de Espinho. Constatou-se neste encontro que a degradação das condições de acesso ao Serviço Nacional de Saúde tem sido uma constante em Portugal, motivada em grande parte pelas restrições orçamentais impostas pela União Europeia e aplicadas pelos nossos governos. O concelho de Espinho não foge à regra e não é por acaso que grande parte da população está hoje confrontada com a perda de serviços de saúde.

Há muito que a CDU intervém em Espinho pelo direito à saúde. A criação de um serviço de urgência básico no Hospital de Espinho continua a ser uma exigência, reforçada recentemente graças a uma recomendação aprovada na Assembleia da República por iniciativa da CDU. Ao nível da rede dos cuidados de saúde primários a CDU vê com preocupação o encerramento das unidades de saúde, particularmente a do bairro piscatório de Silvalde, que se segue assim aos desastrosos encerramentos da maternidade e da urgência do Hospital de Espinho, para além da sua perda de valências e de autonomia.

O caso do encerramento do Posto de Saúde do bairro Piscatório é grave, na medida em que o actual posto médico tem boas condições e garante um serviço de proximidade a uma população de cerca de 5000 utentes, grande parte dos quais com grandes carências económicas e graves problemas de mobilidade. De acordo com Miguel Viegas, não deixa de ser paradoxal justificar a não abertura das urgências do hospital com a necessidade de melhorar a rede de cuidados primários, promovendo ao mesmo tempo o encerramento de postos de atendimento por falta de médicos...

A CDU não aceita que a austeridade ponha em causa o direito à saúde. Conforme ficou prometido, a CDU irá intervir na Assembleia da República e na Assembleia Municipal para continuar a exigir o serviço de urgência básico para Espinho. Irá continuar a lutar com as populações para evitar o encerramento da extensão de saúde da Marinha, garantindo assim uma prestação de saúde de qualidade e com proximidade face às populações mais carenciadas.

Finalmente, a CDU alerta para as tendências demográficas que apontam para um acentuado grau de envelhecimento da população e para a necessidade de respostas específicas ao nível dos cuidados continuados, que o concelho não está, neste momento, em condições de dar aos seus utentes.

Espinho, 12 de Junho de 2019
O gabinete de imprensa da CDU

 

Para o topo