Logotipo PCPComunicado aos Paivenses

O concelho de Castelo de Paiva tem ao longo dos tempos sofrido pelo facto de estar no interior, longe de tudo, esquecido pelos órgãos do poder central.

A revolução do 25 de Abril de 1974 contribuiu, tal como em todo o território português, para o seu desenvolvimento económico, cultural e político, combatendo o atraso que a ditadura salazarista também a este concelho legou.

 

Após 38 anos da conquista da liberdade, estão à vista os tenebrosos resultados de uma política de direita, levada a cabo pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS, agora agravada pelo Pacto de Agressão que estes três Partidos assinaram com a Troika estrangeira, contra os direitos da maioria do povo e dos ideais de Abril.

Nos últimos 20 anos em especial, os Paivenses sofreram ataques aos seus direitos de cidadania que os tem empobrecido e comprometem as novas gerações. São disso triste exemplo:

Encerramento das Minas do Pejão e da Clarks, as duas maiores empresas do concelho, sendo aí eliminados cerca de 3.000 postos de trabalho, mas a que se sucedeu, nos últimos meses, o fecho de uma série de outras unidades industriais, que contribuíram para que hoje o concelho detenha um dos maiores índices de desemprego do país;

Encerramento do SAP e outras valências do Centro de Saúde, provocando uma enorme perda da qualidade de vida no domínio da assistência médica.

Como se não bastasse, pretende agora o governo:

Impor uma divisão administrativa pela qual elimina algumas freguesias do concelho e esvazia o município de várias competências;

Retirar o Tribunal Judicial;

Agregar os dois Agrupamentos de Escolas (Vila e Couto Mineiro) para concentrar num só uma população escolar de 3.000 alunos. Um escândalo!

Tudo isto está a provocar uma verdadeira hecatombe social que se faz sentir no aumento galopante da emigração e da consequente desertificação do concelho e envelhecimento da sua população, cada vez mais fragilizada e depauperada pelos sucessivos aumentos dos preços de bens essenciais e quebra dos seus salários e pensões.

É tempo de dizer basta a este rumo e a esta política! De rejeitar o Pacto de Agressão! De lutar por um Portugal com futuro!

Castelo de Paiva, 27 de Abril de 2012

Comissão Concelhia de Castelo de Paiva do PCP

 

 

 

Comunicado aos Paivenses

O concelho de Castelo de Paiva tem ao longo dos tempos sofrido pelo facto de estar no interior, longe de tudo, esquecido pelos órgãos do poder central.

A revolução do 25 de Abril de 1974 contribuiu, tal como em todo o território português, para o seu desenvolvimento económico, cultural e político, combatendo o atraso que a ditadura salazarista também a este concelho legou.

Após 38 anos da conquista da liberdade, estão à vista os tenebrosos resultados de uma política de direita, levada a cabo pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS, agora agravada pelo Pacto de Agressão que estes três Partidos assinaram com a Troika estrangeira, contra os direitos da maioria do povo e dos ideais de Abril.

Nos últimos 20 anos em especial, os Paivenses sofreram ataques aos seus direitos de cidadania que os tem empobrecido e comprometem as novas gerações. São disso triste exemplo:

Encerramento das Minas do Pejão e da Clarks, as duas maiores empresas do concelho, sendo aí eliminados cerca de 3.000 postos de trabalho, mas a que se sucedeu, nos últimos meses, o fecho de uma série de outras unidades industriais, que contribuíram para que hoje o concelho detenha um dos maiores índices de desemprego do país;

Encerramento do SAP e outras valências do Centro de Saúde, provocando uma enorme perda da qualidade de vida no domínio da assistência médica.

Como se não bastasse, pretende agora o governo:

Impor uma divisão administrativa pela qual elimina algumas freguesias do concelho e esvazia o município de várias competências;

Retirar o Tribunal Judicial;

Agregar os dois Agrupamentos de Escolas (Vila e Couto Mineiro) para concentrar num só uma população escolar de 3.000 alunos. Um escândalo!

Tudo isto está a provocar uma verdadeira hecatombe social que se faz sentir no aumento galopante da emigração e da consequente desertificação do concelho e envelhecimento da sua população, cada vez mais fragilizada e depauperada pelos sucessivos aumentos dos preços de bens essenciais e quebra dos seus salários e pensões.

É tempo de dizer basta a este rumo e a esta política! De rejeitar o Pacto de Agressão! De lutar por um Portugal com futuro!

Castelo de Paiva, 27 de Abril de 2012

Comissão Concelhia de Castelo de Paiva do PCP

Para o topo