Chegou ao conhecimento do PCP que há consultas de Urologia a serem desmarcadas por tempo indeterminado no Centro Hospitalar do Baixo Vouga (CHBV). Há relatos também de doentes que ficaram sem fazer o seu tratamento mensal.

O PCP apurou que tal se ficou a dever à saída de dois médicos urologistas desde Janeiro de 2018, que anteriormente estavam integrados no Serviço de Urologia do CHBV.

Esta situação é preocupante e demonstra o desgaste a que estes profissionais estão sujeitos pelas políticas de desinvestimento no Serviço Nacional de Saúde levadas a cabo pelos sucessivos governos de direita e que o actual executivo tarda em reverter. Há médicos recém-especialistas à espera de colocação há vários meses. Quem sofre são as populações e quem ganha são os grupos privados instalados no sector da saúde.

Importa saber o real impacto da saída destes dois profissionais:

- que consultas estão a ser desmarcadas e quando se prevê a normalização das actividades do serviço?

- há doentes com tratamentos em atraso?

- a ARS foi informada desta situação para que se encontre uma solução para estes doentes em outras unidades públicas de saúde?

- os Centros de Saúde foram informados desta situação para que os médicos de família não continuem a referenciar doentes para um serviço que não tem capacidade de dar resposta?

- quando se prevê a contratação dos médicos necessários ao normal funcionamento dos serviços?

Assim sendo, o PCP solicitou um encontro com o conselho de administração do CHBV e irá apresentar um requerimento na Assembleia da República sobre esta situação.

O PCP continuará lutar sempre por um SNS público, gratuito e de qualidade, aspecto primordial para o desenvolvimento do País, acima de qualquer obsessão contabilística com o défice ou o pagamento da insustentável dívida pública.

O Gabinete de imprensa da DORAV do PCP
Aveiro, 30 de Janeiro de 2018


Para o topo