DORAV

Ao longo dos seus 99 anos de existência, o PCP tem sido o aliado mais coerente e determinado na acção e luta no combate à exploração, desigualdades, discriminações e violências sobre as mulheres.

A legislação consagra os direitos das mulheres e a sua participação na sociedade é fundamental. Mas os direitos não são cumpridos, nem a igualdade é uma realidade nas suas vidas enquanto trabalhadoras, cidadãs e mães.

Para o PCP a igualdade na vida das mulheres significa:

  • Reduzir o trabalho semanal para as 35 horas;
  • Cumprir os direitos de maternidade e paternidade;
  • Promover uma resposta pública, articulada e descentralizada, de prevenção e combate à violência doméstica;
  • Investir nos serviços públicos de qualidade para assegurar o direito à saúde, à cultura, à justiça e transportes, entre outros exemplos.


É por isso preciso "Cumprir os direitos das mulheres, na lei e na vida...", é o único caminho que concretiza a elevação das sua participação em igualdade em todos dos domínios da sociedade, que fomenta a mudança de mentalidades e estereótipos, e promove os valores de igualdade como condição de progresso e democratização do país.

O PCP saúda as mulheres portuguesas neste 8 de Março e apela para que transformem esta data em luta participando na Manifestação Nacional de Mulheres no dia 8 de Março em Lisboa promovida pelo Movimento Democrático de Mulheres.

Gabinete de Imprensa da DORAV
6 de Março de 2020

 

Uma delegação do PCP esteve presente na concentração de agricultores promovida pela CNA (Confederação Nacional de Agricultura) e UABDA (União dos Agricultores e Baldios do Distrito de Aveiro) na inauguração da Agrovouga, em Aveiro. A concentração foi precedida de uma marcha lenta de tractores desde Válega, Ovar, a Aveiro, em defesa da produção e pela concretização do Estatuto da Agricultura Familiar.

Entre as reivindicações dos agricultores, a questão de um preço justo à produção foi uma das mais reclamadas, a par de mais "quota" leiteira sem penalizações. Os preços pagos ao produtor, de tão baixos, tornam inviável a continuidade da actividade, empurrando para a falência muitos milhares de agricultores e produtores.

Uma delegação do PCP acompanhou o primeiro dia da jornada de luta, que contou, esta quinta-feira, com a extraordinária adesão à greve dos trabalhadores da produção da Renault Cacia (80% no turno da noite e mais de 90% no turno das 6h), que permaneceram à porta da empresa, reivindicando os seus direitos e exigindo respeito por parte da administração.

A degradação das condições de trabalho, nomeadamente a redução das remunerações, a retirada de prémios, o não cumprimento da GSI (Gestão Salarial Interna) aos seus trabalhadores, os intensos ritmos de trabalho e horários desregulados, a pressão, a repressão no local de trabalho, além da existência de um grande número de trabalhadores temporários (30% da mão-de-obra são trabalhadores temporários, percentagem que já se mantém há vários anos), sendo que estes trabalhadores respondem a necessidades permanentes da empresa.

Após conhecimento da  reintegração da trabalhadora corticeira, Cristina Tavares, no seu posto de trabalho, ao fim de dois despedimentos ilícitos onde também foi vitima de repressão moral, o PCP saúda a trabalhadora, valorizando toda a luta desenvolvida desde que este processo se iniciou, com o apoio do seu sindicato - SOCN, da União de Sindicatos de Aveiro e da CGTP-IN.

Mário Sacramento nasceu em Ílhavo a 7 de Julho 1920 , para assinalar o início das comemorações do centenário do seu nascimento, a DORAV do PCP organizou no passado dia 14 de Junho, na Junta de Freguesia de S. Salvador em Ílhavo, sua terra natal, uma Sessão Evocativa, que contou com a presença de Mafalda Guerreiro do Comité Central do PCP e responsável pela DORAV, de Octávio Augusto da Comissão Política do PCP e ainda com Jorge Seabra médico e militante do Partido Comunista Português.

O PCP está solidário com os trabalhadores dos CTT do posto de distribuição da Taboeira, em Aveiro, que, em greve, se concentraram hoje junto ao seu local de trabalho. Numa massiva adesão, 50 dos 54 trabalhadores efectivos fizeram greve, os trabalhadores demonstraram as razões da sua luta, a falta de pessoal, as excessivas horas de trabalho, as pressões e a tentativa de deslocalizar serviços.

Neste posto, os trabalhadores são alvo de pressões diárias, com trabalhadores contratados para fazerem por 6 horas diárias, mas que se vêm forçados a trabalhar 10 horas por dia, não lhes deixando tempo para conciliar a vida familiar com o trabalho.

As justas reivindicações destes trabalhadores que com a privatização deste serviço viram as suas condições de trabalho diminuírem e o volume de trabalho aumentar devido à falta de trabalhadores necessário para o bom funcionamento dos serviços, demonstram, uma vez mais, a necessidade da recuperação do controlo público dos CTT.

Realizou-se, na estação de Espinho, uma iniciativa da CDU de valorização da entrada em vigor do Passe Único desde o dia 1 de Abril com a participação do candidato às eleições do Parlamento Europeu, Francisco Gonçalves.

No distrito de Aveiro esta medida importante, tem para já, efeitos apenas nas freguesias servidas pela CP até Espinho, área abrangida pelo "Andante", contudo é necessária a sua implantação nas demais freguesias e meios de transporte, bem como em todos os concelhos da área metropolitana do Porto.

A CDU defende assim que o Passe Único garante a melhoria da mobilidade e da qualidade de vida das populações com um enorme alcance social sendo fundamental alargá-la a toda a área metropolitana do Porto, bem como aos restantes concelhos do distrito de Aveiro. A necessária melhoria das carreiras, do alargamento de horários,  o assegurar do Passe Família, são medidas fundamentais para se garantir uma maior justiça social e coesão territorial.

O PCP no Dia Internacional da Mulher 2019

Também no distrito de Aveiro, como habitual, o PCP divulgou o seu documento “Viver, Trabalhar, Participar em Igualdade. Cumprir os direitos das Mulheres”, um documento dirigido às mulheres, que saudamos particularmente.

Este documento foi distribuído junto das mulheres Trabalhadoras nos seus postos de trabalho, nomeadamente na Lisil – Manuel Ferreira Marques, Lda, em Oliveira do Bairro,  na Valmet, Lda.  e Portoblinds – Soc. Unip.,Lda., de Ovar , empresas com mão de obra maioritariamente feminina.

Neste contacto, o PCP chama a atenção para a natureza das opções económicas e sociais de sucessivos governos da política de direita PS, PSD e CDS, que inverteram o rumo de Abril, transformando Portugal num País mais desigual, periférico e dependente, acentuando as discriminações sobre as mulheres e criando novos obstáculos à sua participação em igualdade, enquanto trabalhadoras, cidadãs e mães.

A Direcção Regional de Aveiro (DORAV)do PCP, reunida a 1 de Março, analisou o actual quadro político, chamou a atenção para as acções de luta desenvolvidas, discutiu e programou o trabalho e intervenção do partido no distrito, em particular no âmbito de preparação para os actos eleitorais de 2019.

1- A situação política continua marcada por sinais contraditórios. Persiste a campanha de manipulação, difamação e mentira contra o PCP, no âmbito de uma operação mais vasta dirigida pelo grande capital contra o próprio regime democrático. É neste âmbito que se assiste à promoção de concepções reaccionárias ou mesmo de branqueamento do fascismo; se criam, aproveitam e exploram situações de insegurança, violência, corrupção, degradação de serviços, com o propósito de criar climas de apatia, de indiferença, de descrença na política e na luta organizada, que conduzam à aceitação de medidas securitárias, restrição de liberdades e direitos, desmantelamento e privatização das funções sociais do Estado.

2- O papel determinante do PCP nos avanços até agora conseguidos na defesa, reposição e conquista de direitos, é, de facto, uma afronta ao grande capita, porque não desistiu de lutar por mais avanços, nomeadamente pela valorização geral dos salários, pelo aumento do salário mínimo nacional para 650 euros nos sectores público e privado, pela revogação das normas gravosas das leis laborais, pela defesa e valorização dos serviços públicos; porque se bate por uma política alternativa patriótica e de esquerda, que responda aos problemas nacionais, eleve as condições de vida do povo e crie condições para o desenvolvimento soberano do nosso País.

3- No ano de 2019 será necessário continuar a luta em várias frentes, seja no plano social, seja no plano político e institucional e, ao mesmo tempo, dar resposta às grandes e importantes batalhas eleitorais de expressão nacional que estão já marcadas para 26 de Maio (Parlamento Europeu) e para 6 de Outubro (Assembleia da República).

Realizou-se ontem, no salão do antigo quartel dos Bombeiros  de Albergaria-a-Velha, um jantar-comício promovido pela Direcção da Organização Regional de Aveiro do PCP subordinada ao lema

Exercer os Direitos. Participar em Igualdade

Integrado nas comemorações do dia Mundial da Mulher, marco de luta pela pela realização plena da igualdade de direitos de todos os trabalhadores,  no decurso deste comício sublinhou-se a importância da luta pelo exercício dos direitos como elemento imprescindível no sentido de impor a dignidade e o valor do trabalho, neste caso na forma de igualdade de tratamento entre mulheres e homens.

Neste sentido fica o apelo à participação de todos na Manifestação Nacional de Mulheres convocada pelo MDM - Movimento Democrático de Mulheres para o dia 9 de Março às 14h 30 nos Restauradores, Lisboa.

Para mais informação sobre esta iniciativa, abrir ligação seguinte:
MANIFESTAÇÃO NACIONAL DE MULHERES 2019 - MDM

 

Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Jantar/Comício «Exercer os Direitos. Participar em Igualdade»

Exercer os Direitos. Participar em Igualdade

Para o topo