Nota de imprensa

Uma delegação do Partido Comunista Português, constituída por Diana Ferreira, deputada na Assembleia da República, pelo responsável da Organização Regional de Aveiro e por dirigentes da Comissão Concelhia, visitou o Hospital no passado dia 11 de Março.

O objectivo da visita consistiu em verificar no próprio local, as dificuldades e potencialidades do hospital – agora integrado no centro hospitalar Gaia-Espinho – para melhorar os serviços de proximidade à população.

A Delegação foi recebida por um elemento do Conselho Administrativo do Centro Hospitalar Gaia-Espinho, que traçou um panorama geral do funcionamento dos serviços e foi dando resposta às questões colocadas, à medida que a visita se ia desenrolando.

No quadro da política de destruição do SNS (Serviço Nacional de Saúde) para beneficiar o sector privado, e por acordo do Governo e da Câmara, ao tempo ambos do PS, o Hospital de Espinho foi esvaziado do serviço urgência e de outras valências, em troca de uma ambulância, facto que foi contestado pelo PCP, designadamente com a convocação de concentrações populares junto do Hospital e da Câmara Municipal, e pela recolha de mais de dez mil assinaturas que foram entregues no Governo Civil de Aveiro.

Pela informação recolhida durante a visita, para o PCP, confirma-se que no geral, a integração do hospital de Espinho no de Gaia não foi favorável à prestação de serviços de proximidade, uma vez que obriga os utentes do nosso Concelho a deslocar-se para Gaia, com os custos daí decorrentes, quer financeiros quer de tempo de espera.

Desta visita ao hospital, o PCP retira duas conclusões fundamentais:

A primeira, é que o Hospital de Espinho tem excelentes condições para manter e reforçar os serviços de proximidade à população;

A segunda, que é necessário e urgente, a criação de uma Unidade de Saúde Local (USL) em conjunto com o Centro de Saúde, para atendimento médico de utentes, mesmo para lá dos limites do concelho, que funcione durante 24 horas e que encaminhe para a urgência do Hospital de Gaia apenas os casos mais complexos.

O PCP continuará a intervir no sentido de defender o Serviço Nacional de Saúde e, designadamente em Espinho, na melhoria dos cuidados prestados à população. Apelamos ao povo do nosso concelho que não se resigne com a situação actual e que lute pela Saúde a que tem direito e que a nossa Constituição da República consagra.

Espinho, 12 de Março, de 2016
O Executivo da Comissão Concelhia do PCP.

 

 

 

 

 

 

 

 


Para o topo