De acordo com as Estatísticas do Emprego publicadas pelo INE, havia 549.500 desempregados no terceiro trimestre de 2016, tendo este número diminuído, quer face ao trimestre homólogo de 2015, quer face ao trimestre anterior, situando-se a taxa de desemprego em 10,9%.

Em nota pública, a CGTP-IN considera que o número real de desempregados e subempregados é bastante superior -1 milhão e 72 mil-, contabilizando o subemprego a tempo parcial, os desempregados em contratos emprego-inserção, em programas de estágio e os inscritos indisponíveis mas que procuram emprego.

Por sua vez, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), revela que o número de desempregados registados no Concelho de Espinho no mês Outubro de 2016 é de 2.608 (1.422 mulheres e 1.186 homens).

Nestes 2.608 desempregados registados não estão considerados 290 «desempregados ocupados» que não contam como desempregados embora na realidade o sejam.

Os desempregados registados representam cerca de 18% da população activa do Concelho, contra 8% no Distrito. Espinho continua a ser o quarto Concelho com mais desempregados registados dos 19 existentes no distrito, depois da Feira, de Aveiro e de Ovar.

As mulheres representam  54,5% dos desempregados registados no Concelho.

Os desempregados de longa duração aproximam-se dos 60% dos desempregados registados no Concelho.

Em termos etários, os grupos mais afectados são os desempregados dos escalões entre os 25 e os 34 anos, o dos 35 aos 54 e os do escalão com 55 ou mais anos de idade.

O desemprego continua a ser o principal problema social do país, problema que só se resolve com mais investimento e com políticas orientadas para a valorização do trabalho e dos trabalhadores.

Espinho, Dezembro de 2016
A Comissão Concelhia de Espinho do PCP

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para o topo