Texto da pergunta endereçada ao Governo pelo GP do PCP, através do deputado Jorge Machado.

Assunto: Salários e subsídios em atraso na empresa SINORGAM ex.SETAP (Espinho)

Destinatário: Min. da Economia e do Emprego

Ex. ma Sr.a Presidente da Assembleia da República

Chegou ao conhecimento deste Grupo Parlamentar a denúncia da situação vivida pelos trabalhadores da empresa SINORGAM ex.SETAP em Espinho.

Esta empresa tem perto de 50 trabalhadores com o subsídio de natal e o salário de Janeiro em atraso, os trabalhadores desde junho de 2012 que têm vindo a receber os salários em várias prestações, decidiram em plenário iniciar uma greve até que lhes sejam pagos os salários em atraso.

A Empresa produz componentes para o sector Agrícola e das Pescas, recipientes para plantação, redes de pesca entre outros, tem encomendas mas em face das dividas que tem com a Segurança Social estão hipotecados os recebimentos de alguns clientes, não tem liquidez para obter matéria prima, nem crédito Bancário.

Quem está a sofrer todas estas consequências são os trabalhadores, que trabalham e não recebem os seus salários.

O Concelho de Espinho tem um dos mais elevados números de desemprego do país, uma taxa superior à registada na Área Metropolitana do Porto.

Assim, e ao abrigo das disposições legais e regimentais aplicáveis, venho perguntar através de V.Exa, ao Ministério da Economia r do Emprego, oseguinte:

1.º Qual o grau deconhecimento que o Governo tem desta situação?

2.º Que avaliação faz o Governo relativamente à situação em que se encontram os Trabalhadores desta Empresa e às implicações para o tecido económico regional e nacional da paralisação da sua actividade, decorrente da falta de liquidez?

3.º O que pensa este Ministério e o Governo fazer para por cobro a esta situação?

Palácio de São Bento, sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2013

Deputado(a)s

JORGE MACHADO(PCP)


Para o topo