O PCP tem vindo ao longo dos anos a alertar para as ameaças que o Hospital Visconde de Salreu (HVS) tem vindo a sofrer, desde o encerramento do serviço de urgência, de inúmeras valências, ao desmantelar e encerrar do Bloco operatório, serviços estes que asseguraram à população de Estarreja e concelhos limítrofes acesso a cuidados médicos de qualidade e proximidade.

Nos últimos anos PS/PSD/CDS têm promovido uma verdadeira cruzada contra o Serviço Nacional de Saúde, a partir do Governo central. A nível local, embora se apregoe o contrário verifica-se que o Executivo Camarário nada tem feito em defesa dos seus munícipes, sendo cúmplice em todo este processo, aceitando passivamente tudo o que tem sido proposto, defraudando promessas eleitorais e legítimas expectativas da população.

A última Assembleia Municipal (AM) comprovou que o objectivo do Governo e da Câmara para o HVS é o fim do hospital, transformando-o numa Unidade de Cuidados Paliativos. O PCP considera esta unidade algo de grande importância, porém não aceita que se opera uma “troca”. Tal transformação não garante à população de Estarreja o que esta necessita: um hospital com Serviço de Urgência Básica e um bloco operatório com a cirurgia de ambulatório, para o qual estava vocacionado a trabalhar com elevados índices de qualidade, bem como com as inúmeras especialidades que têm vindo a ser retiradas.

Um serviço de urgência básica em Estarreja e um hospital de proximidade é fundamental para o nosso concelho bem como para os concelhos limítrofes, que ao longo dos anos usufruíram dos serviços por ele prestados.

Na última AM o Presidente do CA do Centro Hospitalar do Baixo Vouga apresentou o novo projecto confirmando que pretende construir 15 camas de cuidados paliativos, demolindo o bloco operatório. No ar deixou a “promessa” de no futuro, não se sabendo quando, ser construído um novo bloco no HVS. A convivência do Presidente da Câmara com tudo isto deixou a população de Estarreja elucidada quanto a quem está de que lado neste processo.

Ficou claro que não existe um plano estratégico, que só existem obras avulsas, que o futuro é incerto, que poderá passar pelo seu encerramento ou pela entrega a privados após o investimento de dinheiros públicos, como já ocorreu em muitos pontos do país.

Esta não é a política que interessa à nossa população, mas é aquela que o Presidente de Câmara teima em tentar impor baseando-se na chantagem do “mais vale pouco do que nada”.

Ontem como hoje, o PCP tudo fará, ao lado da população de Estarreja, para que o projecto de aniquilamento do HVS não se concretize. Repudiamos a destruição do Serviço Nacional de Saúde (SNS), tendo como objetivo entregar a saúde a privados colocando assim em causa a Constituição da República.

Salientamos ainda a importância da luta da população em defesa não só do Hospital de Salreu, bem como do SNS e a urgência do fim desta política de direita, que deve ser substituída por uma política patriótica e de esquerda, vinculada aos valores de Abril.

A Comissão Concelhia de Estarreja do PCP

29 de Maio de 2015

 

 

 

 


Para o topo