Ílhavo

No seguimento da acção de luta promovida pelos pais da Escola da Nossa Senhora do Pranto (Ílhavo) e da denúncia pública do PCP, e respectiva pressão sobre as autoridades competentes, a Câmara Municipal de Ílhavo abriu concurso para contratação de seis assistentes operacionais para as escolas do Concelho.

Apesar de não ser especificado em Diário da República em que escolas serão colocados os trabalhadores que venham a ser contratados, a abertura de um concurso representa, só por si, uma importante vitória para todos os que lutaram por esta causa mais do que justa.

Nesta ocasião que deve ser de regozijo o PCP saúda toda a comunidade educativa, sublinhando a importância - tantas vezes desvalorizada - de lutar pelos nossos direitos.

Sem prejuízo disso, o PCP considera oportuno referir alguns aspectos que devem ser tidos em conta:

1) Não é correcto que seja a Câmara Municipal a assumir esta responsabilidade. A contratação de trabalhadores - tal como todas as matérias relativamente aos mega-agrupamentos escolares - é uma responsabilidade do Estado central, pelo que cabe ao Governo assumi-la. Ao contratar trabalhadores, a CMI está a gastar recursos que assim não serão aplicados naquilo que são realmente as suas competências.

Não é novidade para ninguém que, fruto da política de cortes na Educação seguida pelos sucessivos Governos de PS, PSD e CDS, os meios das escolas são cada vez mais escassos. Este é um problema geral que se manifesta por várias formas, dentre as quais, o insuficiente número de trabalhadores não docentes existentes em quase todas as escolas do País e que tende a agravar-se com o empurrar de responsabilidades que deveriam ser do estado central para as autarquias, tantas vezes sem meios e/ou competência para lidar com as responsabilidades que lhes são delegadas.

O caso das escolas de Ílhavo não só não é excepção, como salta a vista como cada vez mais gritante, dado que o número de funcionários é tão escasso que pode mesmo comprometer o funcionamento de algumas das escolas dos dois Agrupamentos existentes no concelho, tal como os pais de uma escola já assinalaram recentemente.

O PCP chama a atenção para esta situação insustentável que compromete o bom funcionamento, a higiene e até a segurança de toda a comunidade escolar e que prova que as promessas eleitorais do PSD nas últimas eleições eram, uma vez mais, apenas fogo de vista para conquistar votos.

Ex.mo Sr Presidente da CM Ílhavo Fernando Caçoilo,

O PCP vem junto de Vossa Excelência manifestar a mais profunda indignação pela recusa da cedência das instalações do foyer do Centro Cultural de Ílhavo para realização de um debate e exibição de uma exposição sobre os 100 anos da Revolução de Outubro.

Apesar da demora na resposta a um pedido simples – feito a 23 de Novembro e respondido apenas a 19 de Janeiro, após várias insistências nossas – o que mais surpreende são os termos utilizados para a rejeição da cedência do referido espaço.

Em comunicação assinada pela Sra Madalena Silva, Secretária do Presidente, é dito ao PCP que as actividades propostas "não se enquadram na planificação prevista" porque não contribuem para "valorizar o percurso histórico e valores identitários locais".

O PCP considera esta uma desculpa de mau pagador, de quem actua na base do preconceito político-ideológico e gere a coisa pública como se fosse sua propriedade, desrespeitando os mais elementares princípios de convivência democrática entre forças políticas e sociais.

Ao largo da semana que agora termina, militantes da organização concelhia de Ílhavo do PCP realizaram iniciativas de contacto com os trabalhadores da Vista Alegre e da Teka.

Nos contactos realizados foi distribuído o material difundido por todo o País pelo PCP, onde se dá nota de aspectos positivos do Orçamento de Estado para 2018 alcançados pela intervenção do PCP. Entre outros, assinala-se a redução do IRS nos rendimentos mais baixos, um novo aumento extraordinário das pensões de reforma, a reposição de importantes direitos dos trabalhadores da Administração Pública que haviam sido roubados pelo anterior Governo PSD/CDS, ou a redução do IVA nos instrumentos musicais de 23 para 13%.

Sendo importantes, estes avanços são simultaneamente limitados, já que o actual Governo do PS permanece comprometido com desígnios que não são os do desenvolvimento do País - como sejam a obsessão pelo défice ou o não questionamento das questões inerentes à Dívida Pública. Em paralelo, é fundamental que se vá mais longe no que toca ao combate à precariedade e desemprego, na dinamização da contratação colectiva e, muito particularmente, no aumento do Salário Mínimo para os 600€.

Na sequência dos incêndios e gravíssimas consequências dos mesmos por todo o País, incluindo no concelho de Ílhavo, a organização concelhia do PCP procedeu durante o fim-de-semana a um conjunto de acções de contacto com a população ilhavense no sentido de dar a conhecer a posição do Partido sobre a matéria.

Distribuindo um panfleto com o lema "Defendamos a floresta e as populações que nela vivem!" e contactando com a população, os militantes do PCP sublinharam como estas situações foram o resultado de décadas de políticas de direita que contribuíram para a desertificação do interior, a destruição da agricultura, a liquidação dos mais básicos instrumentos de prevenção e combate aos fogos florestais - como é bem visível no nosso concelho, onde as antigas casas dos guardas florestais estão abandonadas à espera que o passar dos anos as faça ruir. De resto, já em Junho deste ano, o PCP tinha avançado com um conjunto de propostas cuja implementação poderia ter contribuído para minimizar os acontecimentos recentes.

Face à notícia avançada pela Rádio Terranova "Fernando Marta declara apoio à candidatura de Eduardo Conde.", cumpre, ao abrigo do Direito de Resposta, esclarecer o seguinte:

Apresentar Fernando Marta como um apoiante à candidatura do PS à CM Ílhavo "com origem no PCP", constitui uma falsidade. A verdade é que, desde Janeiro de 2011, Fernando Marta não é, por vontade própria expressa por escrito, militante do PCP. Além deste facto, é tão ou mais significativo o facto de Fernando Martadesempenhar há vários anos um cargo de cariz político no Governo Regional dos Açores, indicado pelo PS - que como se sabe preside ao órgão.

Intervenção na Assembleia Municipal do vogal do PCP, Jaime Santos, a 6 de Abril, Dia do Município em Ílhavo

Jaime Santos, vogal do PCP na AM ÍlhavoCaros Ilhavenses.

Ao celebrar o dia do município, dando voz aos representantes da população do Concelho nos órgãos autárquicos, estamos, naturalmente, a celebrar também o Poder Local Democrático, uma das maiores conquistas da ‘Revolução de Abril’, a par do Serviço Nacional de Saúde, da Segurança Social e da Escola Pública.

Um poder local que, no geral e independentemente da correlação entre as forças políticas que o exercem em cada concelho ou freguesia, tem contribuído para o desenvolvimento do país e permitido a participação cívica de um número muito significativo de portugueses.

A Coligação Democrática Unitária entregou ao final da manhã de ontem, no Tribunal de Ílhavo, as suas Listas às próximas eleições autárquicas no Concelho de Ílhavo. Mais uma vez, a CDU apresentará listas a todos os órgãos autárquicos daquele Concelho.

O primeiro candidato da CDU, Coligação Democrática Unitária, à Assembleia de freguesia da Gafanha da Nazaré é Jaime Santos.
Jaime Santos, cabeça de lista à Assembleia de Freguesia da Gafanha da NazaréJaime Santos
Trabalha no Agrupamento de escolas Gafanha da Nazaré, neste momento em Cedência de Interesse Publico pela União de Sindicatos de Aveiro, onde faz parte da Direção Distrital e da Direção Executiva. É dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Função Pública e Sociais do Centro (STFPSCentro) como Dirigente dos corpos gerentes e membro da Direção Executiva e Cordenador do Distrito de Aveiro.

 

A Coligação Democrática Unitária anuncia os seus primeiros candidatos aos órgãos municipais do Concelho de Ílhavo nas próximas eleições autárquicas. O primeiro candidato da CDU à Câmara Municipal de Ílhavo é João Coquim, e o primeiro candidato à Assembleia Municipal de Ílhavo é Daniel Santiago.

Câmara Municipal

João da Cruz Coquim, funcionário da Vista Alegre Atlantis S.A., 55 anos, casado, pai de dois filhos, natural e residente em Gafanha de Aquém, Freguesia de São Salvador no Concelho de Ílhavo.
Foi sócio-fundador e membro da Mesa da Assembleia-Geral da APPDA de Coimbra (Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo), cooperante da CERCIAV e membro da Mesa da Assembleia-Geral, Presidente da Assembleia-Geral do CCSAA(Centro Cultural de Surdos e Amigos, de Aveiro), membro da Mesa da Assembleia-Geral do SCVA(Sporting Clube da Vista Alegre). Teve ainda participação no Grupo de Jovens A Tulha e no Grupo Desportivo da Gafanha de Aquém.
Foi membro da Assembleia de Freguesia de São Salvador em Ílhavo entre 2001 e 2005 eleito pela CDU.
Actualmente é membro da Comissão Concelhia de Ílhavo do PCP.

Assembleia Municipal

Daniel Santiago, trabalhador-estudante,  Assistente Administrativo e estudante de Contabilidade no ISCAA, de 26 anos, possui Curso Técnico profissional em Informática/Gestão.
Prestou Serviço Militar durante 3 anos na Marinha de Guerra.
É jogador de basquetebol no Grupo Desportivo da Gafanha.
É membro do colectivo de Jovens Trabalhadores da Juventude Comunista Portuguesa, e é membro da Comissão Concelhia de Ílhavo do PCP.


Para o topo