Não é novidade para ninguém que, fruto da política de cortes na Educação seguida pelos sucessivos Governos de PS, PSD e CDS, os meios das escolas são cada vez mais escassos. Este é um problema geral que se manifesta por várias formas, dentre as quais, o insuficiente número de trabalhadores não docentes existentes em quase todas as escolas do País e que tende a agravar-se com o empurrar de responsabilidades que deveriam ser do estado central para as autarquias, tantas vezes sem meios e/ou competência para lidar com as responsabilidades que lhes são delegadas.

O caso das escolas de Ílhavo não só não é excepção, como salta a vista como cada vez mais gritante, dado que o número de funcionários é tão escasso que pode mesmo comprometer o funcionamento de algumas das escolas dos dois Agrupamentos existentes no concelho, tal como os pais de uma escola já assinalaram recentemente.

O PCP chama a atenção para esta situação insustentável que compromete o bom funcionamento, a higiene e até a segurança de toda a comunidade escolar e que prova que as promessas eleitorais do PSD nas últimas eleições eram, uma vez mais, apenas fogo de vista para conquistar votos.

O PCP está solidário com estudantes, pais, funcionários e professores no seu justo descontentamento e exige medidas de urgência para que se inverta este quadro o mais prontamente possível e sejam contratados 18 funcionários (10 para o Agrupamento de Escolas de Ílhavo e 8 para o Agrupamento de Escolas da Gafanha da Nazaré), até já expresso em acções de luta na semana passada.

De resto, como tantas vezes o PCP tem chamado a atenção, é decisivo que o Governo do PS entenda que de pouco serve cumprir as metas impostas pelo exterior (défice, juros da dívida, etc.) se as funções básicas do País colapsarem.

O que o País precisa é uma política de investimento, defesa das funções sociais do Estado, aposta na produção e no emprego com direitos - só assim é possível de uma vez para sempre sair da espiral de recessão e degradação a que fomos votados por quatro décadas de política de direita de PS, PSD e CDS.

Ílhavo, 13 de Janeiro de 2018
A Comissão Concelhia de Ílhavo do PCP

Para o topo