Imparável, e ciente que tudo na CDU é conquistado a pulso, continuam os candidatos de Aveiro no seu périplo pelo distrito. Depois de ter percorrido a quase totalidade dos concelho, e enquanto as outras candidaturas continuam a banhos, Miguel Viegas esteve ontem em Oliveira de Azeméis, num jantar que reuniu mais de três dezenas de militantes e simpatizantes da CDU e serviu igualmente para apresentar 9 candidaturas a outras tantas freguesias do concelho. 

 

De destacar neste jantar a presença dos já anunciados cabeças de lista à Câmara e Assembleia Municipal, respectivamente António Costa Alves e Oscar Oliveira, para além do mandatário concelhio, António Marques Alves. Caberia aliás a este a primeira intervenção da noite assim como a apresentação dos cabeças de lista às 9 freguesias. Valorizando muito esta candidatura, num concelho difícil onde perduram ainda preconceitos anticomunistas que impedem uma participação mais alargada nas nossas listas, António Marques Alves anunciou sucessivamente:

Leonel da Silva Almeida, metalúrgico de 67 anos, cabeça de lista à freguesia de Cesar;
Bruno Ricardo Dias Silva, técnico administrativo, 26 anos, cabeça de lista à freguesia de Macieira de Sarnes;
José da Costa Silva, metalúrgico, 55 anos, cabeça de lista à freguesia de Nogueira do Cravo;
Domingos Ferreira Costa, 67 anos, funcionário público, cabeça de lista à freguesia de Oliveira de Azeméis;
António Oliveira Marques, operário químico, 57 anos, cabeça de lista à freguesia de Pendelo;
Serafim da Cunha e Costa, professor do ensino secundário, 55 anos, cabeça de lista à freguesia de S. Marinho da Gândara;
António Alves Marques, comerciante aposentado, 65 anos, cabeça de lista à freguesia de Riba-ul;
Filomela Silva, funcionária administrativa, 41 anos, cabeça de lista à freguesia de São Roque;
Rui Filipe Magalhães Costa, operário fabril, 27 anos, cabeça de lista à freguesia de Cucujães.

De seguida usou da palavra António Costa Alves, cabeça de lista à Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. Militante de longa data do PCP, e com larga experiência autárquica incluindo dois mandatos em executivos de junta de freguesia, António Alves lamentou que o concelho, após tantas décadas de existência ainda careça de infra-estruturas básicas seja ao nível da distribuição de água, do saneamento ou de outros equipamentos. A CDU, com o seu programa e os seus candidatos continuará a trabalhar como sempre fez até aqui, denunciando o que é de denunciar e propondo soluções exequíveis e que correspondam a necessidades e anseios da população.

O encerramento das intervenções coube então a Miguel Viegas, cabeça de lista da CDU pelo círculo de Aveiro às próximas eleições legislativas. A propósito das listas autárquicas locais entregues na vésperas no tribunal de Oliveira de Azeméis, o candidato comunista começou por felicitar a organização por este trabalho que é já uma primeira vitória considerando a ampla renovação das listas com a participação em muitos casos pela primeira vez de novos elementos à CDU. Uma adesão que é muito mais do que a simples participação numa lista. Representa também a adesão a um projecto mais vasto de construção de uma sociedade mais justa e mais fraterna. É neste quadro que devem ser consideradas as próximas eleições legislativas a 27 de Setembro e autárquicas de 11 de Outubro. Duas etapas de uma longa batalha que terão que ser conduzidas por este grande colectivo da CDU. Estamos a falar de duas candidaturas com especificidade próprias mas com princípios e valores comuns e inalienáveis. Na CDU não é possível ter uma posição nas autarquias como acontece com o candidato do PSD em Santarém e depois outra nas Legislativas. Nós temos apenas uma cara, e por isso a nossa causa é e será sempre a CDU com seus princípios e valores que são claros e têm uma expressão concreta nas nossas propostas. Ao contrários de outras candidaturas que usam e abusam da retórica, a CDU afirma o seu firme propósito de combater as injustiças sociais e plasma esta atitude em propostas concretas que a comunicação social se apressa a omitir ou deturpar. Elevação dos salários (salário mínimo igual a 600 euros em 2013) e das reformas, alargamento  das funções sociais do Estado, reforma aos 65 anos ou com 40 anos de serviço, taxa mínimo de IRC de 20% à banca (que paga hoje entre 10 a 12%), tributação das mais valias obtidas em bolsa, são apenas algumas das propostas apresentadas recentemente e que demonstram de forma clara de que lado está a CDU. Cabe-nos agora a todos levar a palavra a outros tantos amigos, familiares e colegas de trabalho, para vencer o bloqueio e podermos festejar mais um duplo êxito eleitoral nos próximos ias 27 de Setembro e 11 de Outubro.

Oliveira de Azeméis, 16 de Agosto de 2009
A Comissão Coordenadora da CDU

Para o topo