Índice do artigo

A assembleia municipal aprovou duas moções apresentadas pela CDU a favor do Hospital de S. João da Madeira e contra o encerramento da Linha do Vale do Vouga.

A primeira apela ao ministério da Saúde que reforce as valências do equipamento, cumpra o protocolo assinado com a câmara e determine uma função bem definida para o hospital. A segunda pede a modernização da linha no sentido de a conjugar com a Linha do Norte. Ambas foram aprovadas por unanimidade e seguirão para a Assembleia da República e para os ministérios das tutelas.

Castro Almeida ainda pediu aos deputados que a moção do Vouguinha apelasse à manutenção do troço entre Oliveira de Azeméis e Espinho, em vez da totalidade do percurso. O presidente acredita que o documento assim redigido beneficiaria os movimentos dos autarcas do Entre Douro e Vouga para que a linha seja integrada na concessão CP Porto. Mas a sugestão não passou disso mesmo.

Entretanto, depois do PCP, também o Bloco de Esquerda apresentou esta semana um projeto de resolução à Assembleia da República que recomenda ao Governo a revogação da decisão de desactivação do serviço de transporte de passageiros da Linha do Vouga. O partido pede ainda que o Governo adeqúe a oferta de mobilidade às necessidades da população, através de uma concessão e exploração com caráter público.


Moção - Linha do Vale do Vouga

A linha do Vouga percorre os concelhos de Espinho, S.ta M.ª da Feira, S. João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Albergaria-a-Velha, Águeda e Aveiro, numa extensão total de 96 km.
Construída na primeira década do séc. XX esta constitui um importante instrumento de transporte na região. Infelizmente, políticas erradas de favorecimento da rodovia relativamente à ferrovia, motivaram que esta linha não acompanhasse o desenvolvimento que os transportes ferroviários tiveram nas últimas cinco décadas.

É do conhecimento de todos que o Governo tenciona desactivar, até ao final do ano, os serviços de passageiros na linha do Vouga (segundo prevê o Plano Estratégico dos Transportes) e isto depois de, nos últimos três anos, a Refer ter investido quase 4 milhões de euros nesta linha ferroviária.

Considerando que:

  • o transporte ferroviário deveria assumir uma maior importância estratégica para o desenvolvimento local, regional e nacional;
  • a qualidade de vida das populações terá muito a ganhar com o crescimento e modernização dos transportes ferroviários;
  • há razões de natureza ambiental, económicas, e energéticas que tornam indispensável promover o caminho de ferro;
  • a Linha do Vouga serve um conjunto importante de populações, permitindo a ligação entre várias cidades da parte sul da Área Metropolitana do Porto e entre o sul e o norte do distrito de Aveiro;
  • a modernização da linha, a sua electrificação e a utilização de adequadas composições permitirá a sua rentabilidade e promoverá um importante meio de transporte colectivo se for conjugada com interfaces da Linha do Norte que permitam a ligação, integral por meios ferroviários, à cidade do Porto e a várias cidades do Sul em particular Coimbra e Lisboa.

A Assembleia Municipal de S. João da Madeira, reclama ao Governo o não encerramento da Linha do Vouga e a tomada de medidas que façam dela um importante meio de transporte regional.

Rita Mendes (eleita da CDU na A. Municipal)

Moção apresentada pela CDU na sessão da Assembleia Municipal realizada em Dezembro de 2011.

Veio a ser aprovada por unanimidade!


Moção - Hospital de S João da Madeira

Durante muitas décadas, o Hospital de S. João da Madeira serviu a população da área que lhe estava atribuída, constituída por um conjunto de localidades da região em que a cidade se insere.

A última reestruturação dos serviços de urgência e as alterações realizadas na gestão do Hospital de S. João da Madeira trouxeram aos utentes que anteriormente eram encaminhados para o Hospital de S. João da Madeira uma diminuição clara de prestação de alguns serviços de saúde em que se destaca o Serviço de Urgência.

Hoje, com muita frequência, temos conhecimento de utentes que são encaminhados pelo INEM para o Hospital de Santa Maria da Feira que esperam muito mais tempo do que esperavam anteriormente, no Hospital de S. João da Madeira.

Por outro lado, temos assistido, à subalternização do Hospital de S. João da Madeira, pondo em causa especialidades e serviços que tinham atingido níveis qualitativos consensualmente considerados muito bons.

O protocolo aprovado anteriormente entre o Município de S. João da Madeira e a Administração Regional de Saúde do Norte não tem sido cumprido por parte dos responsáveis do Centro Hospitalar Entre o Douro e Vouga.

Assistimos ao esvaziamento do Hospital, o que nos leva a temer pelo seu futuro.

Perante o que ficou dito, a Assembleia Municipal de S. João da Madeira, manifesta a sua profunda preocupação com a situação do hospital, reclama que sejam tomadas medidas no sentido de as corrigir e, apela ao Sr. Ministro da Saúde para que garanta o reforço das funções e serviços do hospital de S. João da Madeira, cumprindo o acordo celebrado em janeiro de 2008 e adotando novas orientações que permitam ao Hospital desempenhar uma missão bem definida e qualificada ao serviço da população.

S. João da Madeira, Dezembro de 2011

Para o topo