O encerramento do Balcão dos CTT de Paços de Brandão confirma a concretização de uma política de destruição do serviço público, com consequências profundamente negativas para as populações e empresas que recorrem ao serviço postal e a outras funções asseguradas pelos CTT.

A «solução» encontrada entre a administração dos CTT e a Junta de Freguesia, com a entrega de serviços a uma empresa particular, não irá corresponder às necessidades da população como comprovado anteriormente em localidades onde o mesmo aconteceu.

Hoje o balcão dos CTT serve uma vasta população envelhecida, onde os transportes públicos são quase inexistentes e os correios desempenham um papel de serviço de proximidade imprescindível.

A troca por um «balcão de mercearia» leva-nos a questionar:

  • Terá este estabelecimento disponibilidade financeira para o pagamento das pensões de reforma todos os meses?
  • Existirá um marco de correio onde se garanta o sigilo postal?
  • Os restantes serviços diários serão assegurados com o mesmo profissionalismo?
  • Dado o movimento no actual balcão, é possível garantir que o novo estabelecimento dará resposta pronta aos utentes, ou tornar-se-á um lugar de longas esperas?

Também as empresas de Paços de Brandão e das freguesias vizinhas necessitam de um serviço de encomendas, registos e restante serviço postal de qualidade, como aquele que tiveram até aqui, algo que fica assim comprometido com a «solução» encontrada.

Assim, o PCP considera que a manutenção do balcão dos CTT de Paços de Brandão é uma necessidade inquestionável e o seu encerramento, mais uma machadada no acesso da população a um serviço adequado e de qualidade. Ao serem coniventes com esta «solução», em lugar de lutarem pela defesa do balcão, a Junta de Freguesia e Câmara Municipal estão novamente a prestar um mau serviço ao povo da freguesia e do concelho, mostrando, mesmo, a sua cumplicidade para com esta estratégia de destruição de mais um posto deste serviço postal!

O PCP insiste na necessidade da recuperação do controlo público dos CTT, pois só assim se podem criar as condições para impedir a sangria actual, garantindo o futuro da empresa e o cumprimento dos seus objectivos históricos, não se sujeitando a desvirtuações ou mistificações que conduzam à sua destruição.

Continuaremos a lutar pela defesa dos CTT públicos e de qualidade e apelamos à população que lute connosco.

Santa Maria da Feira, 7 de Fevereiro de 2018
A Comissão Concelhia de Santa Maria da Feira do PCP

Para o topo