Miguel Viegas, candidato da CDU às próximas eleições legislativas visitou a empresa Bagah, em Estarreja, especializada na produção de Sabugueiro. As propriedades do sabugueiro, nomeadamente da sua flor e baga são conhecidos. Acresce ainda que o sabugueiro, como folhosa, pode desempenhar papel de relevo na rearborização de galerias ripícolas e servir de barreira aos incêndios. Bem adaptada ao nosso clima, esta pode ser uma cultura com grande interesse que merece ser devidamente estudada em apoiada pela actual PDR 2020.

A cultura do sabugueiro, apesar de praticamente abandonada na região, realiza-se no nosso território há centenas de anos. O relatório da Committee on Herbal Medicinal Products (HMPC) da European Medicinis Agency demonstra de forma muito detalhada o uso desde a antiguidade do sabugueiro na medicina tradicional. Vários estudos demonstram vários efeitos benéficos para a saúde. A flor e a baga podem ser exploradas como uma excepcional fonte de matéria-prima para o desenvolvimento de produtos alimentares, para a industria farmacêutica ou ainda para a industria cosmética. Contudo, esta matéria-prima não tem sido devidamente valorizado pelos produtores ou outros agentes económicos da região. Outra propriedade do sabugueiro tem a ver com a prevenção dos incêndios, designadamente através da criação de zonas-tampão com árvores folhosas em redor das povoações ou em descontinuidade das grandes manchas de monocultura florestal. O sabugueiro, sendo um arbusto e não uma árvore, pode atingir vários metros de altura e contribuir positivamente para estas barreiras.

Segundo declarações de Miguel Viegas: "Há inúmeras culturas populares que se perderam durante as últimas décadas mas que estão a voltar em força. A cultura do Sabugueiro pode ser uma boa alternativa não só no meio rural, mas também como elemento constitutivo deste mosaico agro-silvo-pastoril que defendemos para revitalizar o mundo rural".

Aveiro, 19 de Agosto de 2019

 

Para o topo