CDU em defesa da linha do Vale do Vouga
Semear futuro por terras de Beja e Serpa
João Ferreira: Jantar com apoiantes em Serpa
A importância do voto na CDU
Miguel Viegas, Estarreja
A CDU é a grande força de esquerda com um projecto de confiança nas capacidades dos país
CDU «Parlamento Europeu 2019» - Tempo de Antena 2
Contacto do candidato Francisco Gonçalves com trabalhadores em Castelo de Paiva
Grande comício em Espinho!

Miguel Viegas reuniu esta manhã com o secretário geral da Anitt-Lar, Associação Nacional das Indústrias de Têxteis-Lar procurando acompanhar de perto a situação do setor que conta hoje com uma presença significativa de empresas a norte do distrito de Aveiro.

O setor do Têxtil e Lar emprega neste momento cerca de 25 mil trabalhadores diretos. Depois de uma crise profunda entre 2008 e 2015, a situação melhorou significativamente nos anos subsequentes, com mais investimento e contratação de mais mão de obra. Contudo, este setor, fortemente exposto à procura externa, uma vez que exporta 80% da produção, poderá estar novamente em crise em função da crise internacional e da retração do comércio internacional.

A questão da Turquia é particularmente gritante uma vez que a União Europeia mantém com aquele país um Acordo de Associação que isenta de tarifas todas as importações de produtos têxteis. Na sequência de uma desvalorização de 40% da lira turca, Miguel Viegas alertou a Comissão Europeia para a necessidade de tomar medidas de salvaguarda do setor. É incompreensível que a Turquia, à semelhança de outras países como a Índia e o Paquistão, possam concorrer no mercado europeu com as nossas empresas tirando partido das vantagens competitivas em matéria regulamentar, seja ao nível laboral ou ambiental.

A entrada de Portugal na União Europeia foi extremamente penosa para o tecido industrial do distrito de Aveiro. Contudo, fruto de um grande esforço de modernização, muitas empresas resistiram e continuaram a laborar apesar do setor textil-Lar sempre ter sido o parente pobre das políticas comerciais da União Europeia. Neste sentido, o PCP continuará a pautar a sua intervenção pela defesa da produção nacional, combatendo aqueles que apostam na abertura ao comércio mundial como forma de nivelar por baixo direitos sociais, laborais e ambientais.



O Gabinete de Imprensa da CDU
Aveiro,8 de Maio de 2019

Para o topo