População e a GNR na Coutada impediu avanço das máquinasNum momento em que correm várias queixas relativamente ao projeto do futuro Parque da Ciência e Inovação que, inclusivamente, já sofreu diversas modificações, a Câmara de Ílhavo resolveu avançar com as obras de acesso, à revelia de todas as normas elementares de bom senso colocando-se, afrontosamente, à margem da legalidade.

Com efeito, e perante a determinação da Câmara em avançar com as máquinas no terreno, os moradores em conjunto com a associação ambientalista Quercus, avançaram de imediato com uma ação popular, conseguindo que a obra fosse embargada. Ainda assim, a Câmara Municipal de Ílhavo, num gesto de completa arrogância, emitiu um comunicado através do qual não reconhece nem a legitimidade dos moradores, nem a força da lei, e reitera o propósito de avançar com as obras.

Perante este cenário, a população esteve hoje no terreno procurando travar o avanço das máquinas. A legalidade acabaria por ser reposta com a chegada da GNR que notificou os trabalhadores e impediu o início das operações previstas.

O PCP, que se fez representar pelo seu dirigente, Miguel Viegas, não pode deixar de repudiar o comportamento da Câmara de Ílhavo e solidarizar-se com as populações em luta. Em causa estão violações flagrantes da reserva agrícola e reserva ecológica, que não foram acauteladas no estudo de impacto ambiental. Tal como consta de diversos requerimentos apresentados pelo PCP na Assembleia da República e no Parlamento Europeu, os estudos nada referem sobre localizações alternativas, pelo que todo o processo deve ser repensado, antes que danos irreparáveis aconteçam.

Aveiro, 8 de Abril de 2014

A Comissão Concelhia de Aveiro do PCP

Para o topo