Nota de imprensa da Comissão Concelhia de Aveiro do PCP

Sinal de perigo de despesas - AtençãoA maioria PSD/CDS da Câmara Municipal de Aveiro acaba de lançar mais uma operação de ataque aos interesses dos cidadãos, deitando fora uma das suas promessas eleitorais.

Antes das eleições autárquicas, Ribau Esteves anunciara o objectivo de reduzir as áreas de estacionamento pago. Como o PCP denunciou em Setembro, ao fim de dez meses nem um lugar de estacionamento pago tinha sido eliminado. Agora, com o Plano aprovado em Câmara Municipal e que entrou em vigor a 1 de Janeiro, os aveirenses puderam constatar que foi feito foi exatamente o contrário do prometido: o estacionamento pago passou de 1963 lugares para 2294 – um aumento de 17%.

A propaganda municipal relativa a esta questão menciona os nomes de seis arruamentos que deixaram de estar incluídos nas áreas pagas, mas omite deliberadamente a referência explícita às quinze ruas ou praças em que o estacionamento deixou de ser gratuito. A saber: Largo Maia Magalhães. Avenida Santa Joana. Ruas Fernão de Oliveira; Campeão das Províncias; Gravito; Luiz Grãs de Abreu; Dr. Alberto Souto; São João da Cruz; Carmo; São Bartolomeu; Manuel Firmino; Sargento Clemente Morais; Luís Gomes de Carvalho; Viseu; Arlindo Vicente.

A Comissão Concelhia de Aveiro do PCP relembra que, já em 2011, esta mesma maioria, embora com outro Presidente, tinha mais que duplicado os lugares de estacionamento pago (de 950 para 1963 lugares). Com argumentos e promessas semelhantes às que agora são apresentados, nomeadamente a disponibilização de transporte público que dissuadisse a utilização do automóvel, o que nunca aconteceu e que dificilmente acontecerá à luz das recentes decisões nesta matéria.

Uma das piores "novidades" deste plano é o início da tarifação do parque de estacionamento do Autocarro Bar, junto ao Hospital e à Universidade. Trata-se de um espaço de larga utilização pelos utentes e funcionários do Hospital Infante D. Pedro, sem alternativa no interior do perímetro hospitalar e que, pela natureza dos equipamentos servidos, deveria continuar livre, sem qualquer nova "taxa moderadora", desta vez municipal.

Esta "Reorganização" inclui ainda o agravamento do custo do estacionamento em parte muito substancial do estacionamento tarifado (1138 lugares) de € 0,70 para € 0,80/hora, um aumento de 14%.

O PCP não ignora alguns aspetos que, no imediato, se afiguram como positivos, designadamente a redução para € 0,40/hora da tarifa de 787 lugares, a redução do horário de cobrança e a equiparação, sem pagamento, dos sábados aos domingos e feriados. No entanto alerta para a ameaça inerente de alguns objetivos apresentados e aprovados na Câmara nomeadamente o de duplicar a receita do estacionamento tarifado, em quatro anos, para dois milhões de euros anuais, o que apenas poderá resultar de duas coisas: aumentos das tarifas e aumento das áreas de estacionamento pago.

O PCP protesta publicamente contra a forma quase secreta como este processo foi concluído, em reunião privada da Câmara Municipal e sem qualquer envolvimento público dos aveirenses e suas instituições designadamente a Assembleia Municipal e órgãos das freguesias, apelando aos aveirenses que não se resignem e lutem ao lado do PCP por uma política que valorize a mobilidade e aposte na qualidade de vida dos aveirenses, com mais e melhores transportes públicos e uma política de estacionamento que não assente na extorsão, mas sim na criação de condições para uma mobilidade mais eficaz dentro da malha urbana da cidade.

Aveiro, 14 Janeiro 2015

A Comissão Concelhia de Aveiro

 

Para o topo