Com a participação do candidato da CDU ao Parlamento Europeu, Miguel Viegas, e do mandatário distrital da CDU, Adelino Nunes, decorreu, durante a manhã de hoje, uma conferencia de imprensa cujo objectivo consistiu em situar objectivos políticos da candidatura e divulgar informação sobre o decurso previsto da campanha eleitoral da CDU no distrito.

Declaração de Miguel Viegas, terceiro candidato da CDU ao Parlamento Europeu

Estamos hoje mais uma vez à porta de uma importante batalha eleitoral. No próximo dia 25 de Maio, os portugueses vão ser chamados a eleger 21 deputados que irão representar Portugal no Parlamento Europeu.

A CDU parte para estas eleições com a confiança alicerçada num longo e profícuo trabalho de décadas, durante as quais, dentro e fora das instituições europeias sempre se bateu pela soberania de Portugal e pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo português.

 

Estas eleições assumem um significado especial na medida em que se completam três anos sobre o pacto de agressão subscrito por PS, PSD e CDS. Um período de enorme retrocesso económico e social que confirma o mais completo fracasso das políticas da União Europeia aplicadas com o consentimento e o apoio dos três partidos do Pacto. Estes mesmos partidos que, perante o fracasso das suas políticas, propõem mais integração, ou seja, o aprofundamento das causas de afundam o país e colocam cada vez mais em causa a soberania nacional.

Nós afirmamos que o reforço da CDU nas eleições do próximo dia 25 de Maio tem um duplo significado. Permitirá que mais deputados da CDU, claramente comprometidos com a soberania nacional e o desenvolvimento de Portugal, possam trabalhar de facto em defesa dos interesses do povo e do país e, neste caso, também em defesa do distrito. E por outro lado, o reforço da CDU constituirá um factor essencial para conduzir à demissão do governo e à convocação de eleições antecipadas, para contribuir para a derrota da política de direita, para assegurar a devolução dos salários e direitos roubados, para afirmar e defender os interesses nacionais e para abrir caminho a uma alternativa política, patriótica e de esquerda.

Conforme temos dito, a CDU afirma-se como a candidatura patriótica e de esquerda que defende no Parlamento Europeu a nossa produção, a nossa agricultura e pescas, os serviços públicos e a protecção social. Contrariando os partidos da troika que procuram já situar o debate das eleições do parlamento Europeu no plano da semântica à volta das instituições europeias e dos tratados, a CDU compromete-se a trazer para o primeiro plano da sua campanha eleitoral a realidade dos problemas vividos hoje pela esmagadora maioria dos portugueses. Problemas estes que decorrem, na sua maior parte, das políticas federalistas e neoliberais impostas pela União Europeia e aplaudidas de pé pelos três partidos que se têm revezado no governo do país.

Depois de mais de três décadas em que PSD e PS, com ou sem o CDS, se alternaram na governação do País, e passados três anos sobre o Pacto de Agressão, o País confronta-se com a mais longa recessão económica da sua história contemporânea com o PIB a regredir 5,2%, ou seja, a regredir para níveis de há 12 anos. O investimento caiu cerca de 24%. O desemprego, em sentido lato, ultrapassa já largamente os 20% da população activa. Ao mesmo tempo, nestes três anos de pacto de agressão, as 25 maiores fortunas aumentaram o seu pecúlio em 16%, e o número de novos milionários cresceu mais de 10%.

Apesar de todas as manobras de diversão, através das quais os partidos comprometidos com muitos anos de governo, PS, PSD e CDS, procuram esconder a sua convergência em todas as questões estruturantes da União Europeia e as suas próprias responsabilidades no actual estado do país, nunca como hoje foi tão evidente a relação entre os principais problemas do País e os constrangimentos impostos pela União Europeia.

A CDU levará a cabo uma campanha que será simultaneamente de mobilização para o voto e de esclarecimento sobre a necessidade do reforço da CDU. Uma campanha cujo objectivo passa pela eleição de mais deputados, o que se traduz em concreto na eleição de Miguel Viegas, membro da Direcção Regional de Aveiro do PCP e um conhecedor da realidade do distrito.

Uma campanha ancorada no rico e diversificado património de intervenção da CDU e no reconhecido percurso de intransigente defesa dos interesses do povo e do País. Afirmando a soberania e a independência nacionais como parte integrante de um projecto de desenvolvimento para Portugal, como um país aberto à Europa e ao Mundo e promotor de relações diversificadas de cooperação entre os povos, assentes na paz, na cooperação e no benefício mútuo.

Nas próximas semanas, muitos milhares de pessoas irão ser contactadas pelos muitos activistas da CDU em todo o distrito. Num quadro onde se afiguram centenas de acções de contacto descentralizadas levadas a cabo pelo colectivo da CDU, destacam-se algumas iniciativas centrais que irão marcar esta campanha, das quais passamos a divulgar, desde já, seis:

 

  • Quinta-feira dia 17/4: acções contacto em Ovar e Aveiro com Miguel Viegas e Ilda Figueiredo;

  • Sábado dia 26/4: sessão publica no Orfeão de Ovar às 15h com João Oliveira, Presidente do Grupo Parlamentar do PCP na Assembleia da República e Miguel Viegas;

  • Sexta-feira dia 2/5: João Ferreira e Miguel Viegas em Espinho e Aveiro, com contactos com pescadores, trabalhadores e população e visita, nomeadamente à Universidade de Aveiro. À noite realiza-se uma sessão pública com ambos os candidatos em S. João da Madeira;

  • Quarta-feira dia 7/5: Inês Zuber e Miguel Viegas em contactos e visitas em Águeda e Mealhada, onde terá lugar uma Sessão Pública;

  • Sexta-feira dia 9/5: Comício em Santa Maria da Feira com Jerónimo de Sousa e Miguel Viegas;

  • Sexta-feira dia 16/5: Sessão Pública em Aveiro com Ilda Figueiredo e Miguel Viegas.

Em 25 de Maio, a população do distrito de Aveiro tem uma oportunidade única de mostrar um cartão vermelho ao Governo e à política de direita, subscrita pelos partidos da troika. É possível o reforço da CDU e a eleição do seu terceiro deputado, o que será um contributo muito significativo para uma alternativa séria e consistente, patriótica e de esquerda, a estas políticas de ruína e declínio nacional,.

Contra a chantagem que se pretende impor aos portugueses, segundo a qual não existem outras soluções senão amarrar o pais, os trabalhadores e o povo, ao roubo, à austeridade para os mesmos de sempre e à abdicação da nossa soberania, a CDU apresenta-se, perante os portugueses, os trabalhadores e o povo da região de Aveiro, como a verdadeira alternativa patriótica e de esquerda, capaz de romper com estes circulo recessivo de miséria, endividamento e dependência.

 

Elementos Biográficos

Miguel Lopes Batista Viegas, 44 Anos, professor universitário. É terceiro candidato na lista da CDU nestas eleições para o Parlamento Europeu.

Licenciatura em medicina veterinária pela Universidade Técnica de Lisboa (1993). Licenciatura em Economia pela Universidade do Aveiro e melhor aluno em economia (2004). Doutoramento em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto (2010). Mestrado em Planeamento Regional e Urbano pela Universidade de Aveiro e melhor aluno em Planeamento Regional (2013).

Nasceu em Paris tendo regressado a Portugal com 10 anos. Exerceu a profissão de médico veterinário entre 1993 e 2011 no sector agropecuário, em diversas empresas do centro e norte de Portugal. Em 2008, ingressou na carreira académica como docente do Departamento de Economia e Gestão Industrial da Universidade de Aveiro. Como investigador, tem-se debruçado sobre temas como a macroeconomia e a política orçamental.

É sócio fundador e dirigente do Clube de Canoagem de Ovar. Como atleta tem vários títulos nacionais em remo e regionais em canoagem.

Foi dirigente da Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. Foi deputado municipal em Ovar, onde residiu entre 1997 e 2010. Foi primeiro candidato pela CDU em 2013 à Câmara Municipal de Aveiro, onde reside desde 2010. Participou em diversos movimentos de defesa de serviços públicos. É dirigente do Sindicato dos Professores da Região Centro. É membro da Direção Regional de Aveiro do PCP e do seu Executivo.

 

Adelino Silva Nunes Pereira, 51 anos, Metalúrgico, Coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro e membro da Comissão Executiva da CGTP-IN. É mandatário da CDU para o Distrito de Aveiro, nestas eleições para o Parlamento Europeu.

Natural e residente na Freguesia da Branca, concelho de Albergaria-a-Velha. Foi várias vezes candidato pela CDU aos órgãos autárquicos e à Assembleia da República. Em 2009 foi candidato da CDU ao Parlamento Europeu.

Operário da Renault CACIA, activista e dirigente sindical, é responsável da Comissão Concelhia do PCP de Albergaria - a - Velha e membro da Direcção de Organização Regional de Aveiro e do seu Executivo.

Para o topo