Nota de Imprensa

Teve lugar na passada 6a feira, 7 de Abril, na Capitania de Aveiro, um debate em torno do centenário da Revolução Socialista de Outubro, mais concretamente acerca do impacto nas condições de vida dos trabalhadores e do povo, quer na Rússia, quer um pouco por todo o mundo e, naturalmente, em Portugal particularmente.

Nesta sessão realizada na emblemática sede da Assembleia Municipal de Aveiro, usaram da palavra como oradores do debate Fernanda Mateus, Paulo Raimundo e Fernando Marques, havendo ainda espaço para alguns comentários e perguntas pela parte da repleta audiência.

O ponto de convergência nas ideias expostas foi o impacto que o fim da guerra, a distribuição da riqueza, a planificação da economia e a socialização dos meios de produção tiveram num país tão atrasado como a Rússia do início do século XX e que faria dele uma das grandes potências em menos de meio século, mesmo com duas guerras mundiais pelo meio!

Tal não poderia contrastar mais com o atraso a que a política fascista condenou Portugal durante 48 anos e, pese embora os imensos avanços alcançados com o 25 de Abril, como é ainda evidente pelos constrangimentos ao desenvolvimento económico-social a que quatro décadas de política de direita - e muito particularmente três décadas de integração capitalista europeia - conduzem.

Assim, reafirmou-se a importância da Revolução de Outubro, não como modelo acabado para decalque, mas antes para prova de algumas importantes premissas no que toca à validade e actualidade da milenar aspiração dos povos do mundo de tomar na suas mãos os seus destinos. Esta inspiração e os ensinamentos dela retirados, do que correu melhor assim como do que não correu bem, são pedra angular da vida, experiência e prática do PCP e da sua proposta para o povo português: a construção de uma democracia avançada, enquanto parte integrante do caminho para construção de uma sociedade socialista.

Aveiro, 10 de Abril de 2017
O Gabinete de Imprensa da DORAV do PCP

Para o topo