Numa acção de contacto com os trabalhadores da ERT em São João da Madeira, uma delegação do PCP, que contou com a presença da deputada Diana Ferreira, deu a conhecer a campanha "Valorizar os trabalhadores, mais força ao PCP.

A ERT, empresa do sector têxtil, mais direccionada para o sector automóvel, tem vindo sempre a crescer e em 2015 já contava com 530 trabalhadores, 8 empresas em seis países e com um volume de negócios de 76 milhões de €.

A empresa ERT faz sua bandeira motivar os trabalhadores com trabalho de equipa, formação e oportunidade de desenvolvimento pessoal. A motivação é tanta que o salário pago é o salário mínimo e os contratos além de serem através de uma empresa de trabalho temporário, são de um mês, renováveis até dois anos.

Bem diz o slogan na sua página da internet " Valores: Motivação dos recursos humanos, criando condições para o sucesso da organização".

É inaceitável que, num sector e numa empresa em franca expansão, os salários permaneçam tão baixos e se insista em fazer uso de um expediente que deveria ser apenas aplicável a situações de picos pontuais de produção - algo que não é manifestamente o caso!

Os trabalhadores da ERT, na sua grande parte jovens, não podem planear a sua vida, pois todos os meses, pode ser o seu último mês de trabalho.

Para o pCP, para cada posto de trabalho permanente tem de corresponder um contrato efectivo de trabalho e a remuneração deve ser justa e proporcional aos lucros gerados com a força do trabalho.

Aveiro, 18 de Abril de 2018
O Gabinete de Imprensa da DORAV do PCP

Para o topo