A empresa do sector têxtil "Prisma-Paraíso", situada na Vila de Cucujães, avançando com processo de insolvência, encerrou portas colocando no desemprego setenta trabalhadoras.

Esta empresa de capital Alemão instalada em Portugal há mais de três décadas, durante este percurso alterou três vezes a sua designação, tendo as trabalhadoras passado de uma empresa para a outra, sempre com a salvaguarda da sua antiguidade.

Nos últimos quatro anos o patronato foi acentuando a pressão sobre as trabalhadoras, reprimindo-as e assediando-as moralmente, contra-ordenação por que foi várias vezes condenada.

A empresa aproveitando-se do surto epidémico impôs injustificadamente às trabalhadoras a paragem do trabalho durante uma semana e o lay-off de 1 a 30 Abril. Após este período a empresa recorreu ao trabalho extraordinário e à pressão pelo cumprimento de objectivos para fazerem face às muitas encomendas.

Inadvertidamente e apesar da existência de encomendas, a empresa impôs no mês de Setembro uma semana de férias às trabalhadoras. Durante este período, aproveitando-se da ausência das trabalhadoras da empresa, continuou o processo iniciado em Março de retirada de máquinas e tecidos, mesas e cadeiras em utilização.

Foi neste contexto com que, no fim de Setembro, as trabalhadoras foram confrontadas com o encerramento por via de um processo de insolvência da empresa que ainda lhes deve o pagamento relativo à antiguidade na empresa.

Este comportamento reiterado teve sempre como objectivo empurrar para a Segurança Social e para as trabalhadoras os encargos com a má gestão da empresa.

O PCP apela a todas as trabalhadoras que se unam e lutem pela defesa dos seus postos de trabalho. Estando certas que nessa luta poderão sempre contar com o PCP que esteve e estará sempre ao lado das trabalhadoras. E que, desde já se compromete a questionar o Governo procurando o cabal esclarecimento deste processo de encerramento da empresa e que medidas o Governo tomará para salvaguardar os direitos das Trabalhadoras.

 

Oliveira de Azeméis, 12 de Outubro 2020
A comissão Concelhia de Oliveira de Azeméis do PCP

 

Para o topo