Miguel Viegas, cabeça de lista da CDU pelo círculo de Aveiro às próximas eleições legislativas, esteve ontem à noite em S. João da Madeira onde marcou presença num jantar organizado pela organização concelhia local da CDU.
 
Perante os muitos activistas e simpatizantes da CDU que encheram o salão do Centro de Trabalho do PCP, com especial destaque para os anunciados candidatos Jorge Cortez, Rita Mendes e Alice Vieira, respectivamente à Câmara, Assembleia Municipal e Junta de Freguesia, o candidato comunista apresentou as principais linhas de argumentação que suportam a necessidade e a possibilidade da CDU voltar a ter um deputado eleito pelo distrito de Aveiro.
 
Um deputado que faça a diferença relativamente aos 15 actuais deputados eleitos por Aveiro, parte dos quais nem sequer residentes na região, e outros cujo nome não é conhecido dos aveirenses e muito menos o seu trabalho realizado nestes últimos quatro anos. No próximo dia 27 de Setembro, irão ser eleitos 16 deputados por Aveiro (mais um relativamente ao último mandato tendo em conta o aumento do peso demográfico do distrito). Destes 16, não faz sentido que não haja pelo menos um que seja da CDU. Um deputado que reside no distrito e que dará à região uma outra visibilidade na Assembleia da República, denunciando os seus problemas mas contribuindo igualmente com propostas e soluções de quem está por dentro da realidade e conhece como ninguém as especificidades deste importante distrito.
 
 
 
Portugal vive um período de crise aguda. Uma crise profunda que decorre e é consequências de décadas de politicas de direita levadas a cabo sucessivamente por PS, PSD e CDS. Politicas de desresponsabilização do Estado face aos seus deveres constitucionais e que estão na base de crescentes desigualdades sociais não só na distribuição da riqueza mas também e sobretudo no acesso a bens essenciais como seja a educação, a saúde ou a justiça. Mas estas politicas de favorecimento do grande capital e em especial do sector financeiro levaram igualmente ao delapidar do nosso aparelho produtivo seja na agricultura e pescas mas também na indústria e na extracção. Hoje Portugal está mais pobre, mais desigual e mais dependente. Só a CDU e o seu reforço poderão inverter este ciclo autofágico em que PS, PSD e CDS meteram o pais. É este o nosso combate que terá duas etapas fundamentais nos próximos dias 27 de Setembro e 11 de Outubro. Não temos os meios de outras candidaturas. Mas temos ideias, projectos e activistas que farão seguramente a diferença.
 
Ovar, 2 de Agosto de 2009 
A Comissão Coordenadora Distrital da CDU
Para o topo